A negação de frases - Ciberdúvidas da Língua Portuguesa
A negação de frases

Como estudante em engenharia electrotécnica e computadores (FEUP), lido com problemas que envolvem muita lógica (sistemas digitais, programação...) e também um pouco de língua inglesa (bibliografias,...). Ora, o meu problema está na negação de frases portuguesas que, segundo o meu ponto de vista, estão erradas. Veja-se o caso do "Não tem nada" (indicando, p.ex., que determinada coisa está vazia) ou ainda "Não sei nada" (indicando que determinada pessoa não possui informação sobre determinado assunto). Através da lógica booleana, semalhantes atributos correspondem precisamente ao contrário daquilo que pretendem dar a entender ("não tem nada"-> tem alguma coisa ou mesmo tudo; "não sei nada"->sei um pouco ou mesmo tudo sobre isso"). Mesmo na língua inglesa tais tipos de negações não existem ("It hasn't anything", "I don't know anything").
Ficaria muito agradecido se me corrigissem, pois é muito natural que esteja errado.

Hugo Basto estudante de engenharia electrotécnica e computado Porto, Portugal 4K

A lógica a que se refere só acidentalmente tem que ver com o que se passa nas línguas. No caso das frases negativas, e só para exemplificar, há-as, como o inglês e o alemão, em que se usa apenas uma palavra negativa (por exemplo, advérbio de negação ou pronome indefinido de sentido negativo, como o nosso ninguém). Outras, como o francês, fazem a negação de uma frase geralmente por meio de duas negativas (por exemplo, «ne...pas», «ne...aucun»). Algumas, como o português, o italiano ou o romeno, utilizam uma ou duas negativas (ninguém veio, não veio ninguém, não comeu nada). Línguas existem ainda, como o latim, em que se nega só com uma negativa e com duas afirma-se: «ullus» (=algum), «nullus» (=nenhum), «nonnullus» (=algum!). Portanto, diga à vontade: Não sei nada ou Nada sei! Não há nada ou Nada há! Nunca lá está ou Não está lá nunca! etc.

F. V. Peixoto da Fonseca