A etimologia e a grafia de coletânea - Ciberdúvidas da Língua Portuguesa
Este é um serviço gracioso e sem fins comerciais, de esclarecimento, informação e debate sobre a língua portuguesa, o idioma oficial de Angola, Brasil, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Moçambique, Portugal, São Tomé e Príncipe e Timor-Leste. Sem outros apoios senão a generosidade dos seus consulentes, ajude-nos a dar-lhe continuidade: Pela viabilização do Ciberdúvidas. Os nossos agradecimentos antecipados.
A etimologia e a grafia de coletânea

Porquê escrever coletânea, e não "coletânia" para uma coleção de textos?

Carlos Almeida Professor Viseu, Portugal 42

A palavra coletânea, que significa «conjunto ou compilação de poesias ou excertos selecionados da obra ou das obras de um ou diversos autores, de assuntos vários» (dicionário da Academia das Ciências de Lisboa»), escreve-se com e por razões etimológicas, isto é, relacionadas com as suas origens. Estas explicam tal e, apesar de este se pronunciar como [i] átono1.

Coletânea  (ou colectânea)2  faz parte do conjunto de palavras que acabam em  -âneo e -ânea (subterrâneo, miscelânea), que integram as terminações átonas -eo e -ea. Estas formas definem séries cujos vocábulos, em grande maioria, apareceram no léxico do português por via erudita, como afirma, por exemplo, o Dicionário Houaiss no artigo que dedica à terminação átona -ea:

«[O]corre, ordinariamente, em cultismos como forma femina do sufixo –eo, do latim -ĕus, -ĕa, -ĕum, formador de adjetivos de 1.ª classe com o sentido de "da natureza de (o ser indicado pelo radical antecedente)"; nessa situação conexa com o masculino, tais adjetivos, já manifestos antes do Renascimento, se difundem em português a partir de então, primeiro, tomando as formas preexistentes em latim, em seguida, generalizando-as para com formas vernáculas, sempre, porém, dentro da linguagem culta [...]»

A origem culta de  coletânea é referida pela mesma fonte:

«[do] latim collectanĕa, ōrum "apontamentos ou extratos colhidos de vários livros", neutro substantivo do adjetivo collectanĕus, a, um "reunido, colhido de todas as partes", do radical de , supino de colligĕre 'reunir, juntar'».

A palavra surgiu em português por via erudita – a primeira atestação referida pelo Dicionário Houaiss data de 1563 –, o que significa que nela não se observam os fenómenos fonéticos característicos do léxico herdado do latim por via popular, como acontece, por exemplo, com colheita, palavra que, remontando também ao supino collectum, evoluiu por transmissão popular do latim collecta.

Na escrita, coletânea sofreu as alterações que decorrem da evolução da ortografia do português: se do século XVI ao XVIII se escrevia collectanea, o vocábulo passou a grafar-se colectânea ou coletânea a partir do século XX.

 

1 O facto de coletânea ter por sinónimo antologia, com o grafema i, nunca justificaria a grafia "coletânia", que é incorreta. Convém dizer também que antologia tem origem no grego clássico anthología, as (em caracteres gregos ἀνθολογία), «ação de colher flores; coleção de trechos literários»  (Dicionário Houaiss), portanto, com um iota – i –, que se translitera e transcreve como i (cf. latim anthologia).

2 No quadro da ortografia em vigor, aceitam-se as duas formas: coletânea e colectânea (cf. Vocabulário Ortográfico Comum da Língua Portuguesa).

Carlos Rocha
Tema: História da língua Classe de Palavras: substantivo