O ensino do português como língua não materna - Ciberdúvidas da Língua Portuguesa
Este é um serviço gracioso e sem fins comerciais, de esclarecimento, informação e debate sobre a língua portuguesa, o idioma oficial de Angola, Brasil, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Moçambique, Portugal, São Tomé e Príncipe e Timor-Leste. Sem outros apoios senão a generosidade dos seus consulentes, ajude-nos a dar-lhe continuidade: Pela viabilização do Ciberdúvidas. Os nossos agradecimentos antecipados.
O ensino do português como língua não materna
Metodologias, estratégias e abordagens de sucesso
Paulo Osório Paulo Osório e Luís Gonçalves
Dialogarts, 2019 744   

A publicação O ensino do português como língua não materna: metodologias, estratégias e abordagens de sucesso (Editora Dialogarts), coordenada por Paulo Osório e Luís Gonçalves, disponível em fonte aberta (aqui), reúne um conjunto de artigos que abordam a temática do ensino do português como língua estrangeira (PLE), propondo abordagens e reflexões muito variadas.

Trata-se de uma obra que apresenta experiências de PLE desenvolvidas em contextos tão variados como a Universidade de Princeton (EUA), a Hankuk University of Foreign Studies (Coreia do Sul), várias universidades do Brasil (a Universidade Federal do Ceará, a Universidade Federal do Pará e a Universidade do Estado do Rio de Janeiro), abarcando ainda as realidades de Timor-Leste e de Macau/China.

A temática que percorre a maioria dos artigos aqui reunidos assenta na apresentação e reflexão em torno de metodologias específicas de ensino de PLE e na análise dos seus resultados em contexto de ensino-aprendizagem. São, assim, exploradas a aprendizagem em tandem, envolvendo alunos brasileiros estudantes de inglês e alunos norte-americanos estudantes de português (capítulo 1), o ensino da língua baseado em tarefas (capítulo 5), o ensino de PLE a partir da adaptação em banda desenhada de uma obra literária (capítulo 6), metodologias para o ensino do português em turmas mistas de falantes de português língua de herança (capítulo 10). Ainda no âmbito das metodologias, especial destaque para um capítulo dedicado à mediação de leitura literária para pessoas surdas na aprendizagem de uma língua segunda (capítulo 7).

Esta é uma obra onde se reflete também sobre questões relacionadas com a produção de materiais didáticos adequados ao contexto específico do PLE (capítulo 2), de materiais relacionados com atividades de compreensão oral (capítulo 3) e de materiais reais e ajustados a um público específico (capítulo 8).

Por fim, a publicação O ensino do português como língua não materna: metodologias, estratégias e abordagens de sucesso inclui ainda alguns capítulos destinados à reflexão em torno de situações específicas do ensino do PLE, como o impacto de heterogeneidade linguístico-cultural nas produções escritas dos alunos (capítulo 4), o ajustamento das teorias dos géneros textuais e discursivos em contexto de alunos oriundos de fluxos migratórios (capítulo 12) ou a questão da escrita académica em aulas de português como língua adicional (capítulo 13).

Numa altura em que o desenvolvimento do ensino do português como língua estrangeira é uma aposta das comunidades de língua portuguesa, a publicação agora disponível assume-se como um contributo plural e polifacetado que certamente enriquecerá a afirmação da didática do ensino do PLE em contexto mundial. 

Carla Marques