Salvem-nos o inglês! - O nosso idioma - Ciberdúvidas da Língua Portuguesa
Este é um serviço gracioso e sem fins comerciais, de esclarecimento, informação e debate sobre a língua portuguesa, o idioma oficial de Angola, Brasil, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Moçambique, Portugal, São Tomé e Príncipe e Timor-Leste. Sem outros apoios senão a generosidade dos seus consulentes, ajude-nos a dar-lhe continuidade: Pela viabilização do Ciberdúvidas. Os nossos agradecimentos antecipados.
Início Português na 1.ª pessoa O nosso idioma Artigo
Salvem-nos o inglês!
Salvem-nos o inglês!

« (...) O "esperanto" moderno não é o inglês de Inglaterra mas algo que dele emergiu e assentou arraiais no mundo, muito por via da cultura americana e ainda mais no pós-II Guerra Mundial. Por isso, o inglês de Inglaterra passou a ser visto como uma “coisa parecida” com o inglês americano simplificado. Ora é esta “coisa parecida”, que na verdade é a “coisa” original, que agora dizem estar em risco como língua de trabalho na União Europeia. Saem os britânicos, sai a “coisa”. Não pode ser. E nós?  (...)  Como falaremos nós, depois do “englexit”? (...)»

 [Crónica do autor transcrita do jorna "Público" de 8/07/2016, escrita conforme a norma ortográfica de 1945]

 

O filme é antigo, muito antigo mesmo. Rodado em Nuremberga nos destroços do pós-guerra, tem a assinatura de Fred Zinnemann (The Search, 1948). Mas não é a II Guerra que aqui importa, é a língua. A dado momento do filme, um soldado americano (Montgomery Clift, no seu primeiro papel no cinema) tenta explicar a um menino checo que anda perdido e que esteve preso em Auschwitz (o actor é mesmo um menino checo de 9 anos, Ivan Jandl, que não sabia inglês e teve de aprender foneticamente as suas falas no filme) a importância de saber inglês, depois de lhe ter ensinado um bom lote de palavras básicas: Chair, house, car, flower, bird, tree. Diz o soldado: “Não fazes ideia de como é útil saber inglês. Onde quer que vás, toda a gente sabe o que quer dizer Ok. É usado em todo o mundo. Não só na América... Canadá, África, Austrália, Índia, até em Inglaterra entendem o inglês, ou coisa parecida.” Ou “coisa parecida”, aí está. No Brasil, em 2014, um repórter do PÚBLICO que disse que em Portugal se falava português ouviu como resposta: “Falam, mas não falam bem.”

Na verdade, o "esperanto" moderno não é o inglês de Inglaterra mas algo que dele emergiu e assentou arraiais no mundo, muito por via da cultura americana e ainda mais no pós-II guerra mundial. Por isso, o inglês de Inglaterra passou a ser visto como uma “coisa parecida” com o inglês americano simplificado. Ora é esta “coisa parecida”, que na verdade é a “coisa” original, que agora dizem estar em risco como língua de trabalho na União Europeia. Saem os britânicos, sai a “coisa”. Não pode ser. E nós? Não contamos? Como é que vamos entender-nos sem os nossos business, parkings, start ups, outsourcings, reality-shows, workshops, clusters, plans, shares, campings, shops? Como vamos nós achar outras palavras para player, bodybuilding, personal trainer, gaming, stakeholder, spin-off, business school, vending machine? Como falaremos nós, depois do “englexit”? Não pode ser. A bem da “coisa parecida”, salvem-nos lá o inglês. Como é que se diz? Please!

Fonte

in jornal Público de 8/07/2016.

Sobre o autor

Jornalista português, redator-principal do diário Público.