Quem cose às vezes “descoze” - O nosso idioma - Ciberdúvidas da Língua Portuguesa
Este é um serviço gracioso e sem fins comerciais, de esclarecimento, informação e debate sobre a língua portuguesa, o idioma oficial de Angola, Brasil, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Moçambique, Portugal, São Tomé e Príncipe e Timor-Leste. Sem outros apoios senão a generosidade dos seus consulentes, ajude-nos a dar-lhe continuidade: Pela viabilização do Ciberdúvidas. Os nossos agradecimentos antecipados.
Início Português na 1.ª pessoa O nosso idioma Artigo
Quem cose às vezes “descoze”
Quem cose às vezes “descoze”
Ortografia em crise

 « (...) A consulta de dicionários e prontuários é uma prática que deve ser constante e sistemática. (...)»

 

A palavra ortografia designa a forma correta de escrever as palavras. A competência ortográfica, associada ao domínio da comunicação escrita, assume, inequivocamente, um valor sociocultural relevante, promovendo cada vez mais aceitação, credibilidade e prestígio social. Não há dúvida que o sucesso profissional de uma pessoa pode ficar comprometido por uma deficiente expressão escrita ao nível da ortografia.

Sempre que cometemos um erro ortográfico, seja em contexto pessoal ou profissional, podemos ser alvo de troça ou discriminação por quem nos rodeia. Erros de ortografia como «Não te via à muito tempo!» ou «Chegas-te a que horas?» não só mancham a nossa imagem, como também podem fazer-nos perder, em poucos segundos, um bom emprego, um bom negócio e até um relacionamento!

Enumeram-se, em seguida, alguns erros ortográficos mais comuns da língua portuguesa, muitas vezes difundidos pelos diferentes órgãos de comunicação social – imprensa, rádio e televisão.

Erros de acentuação

Trata-se de palavras que contêm excesso ou falta de acentos gráficos:

orgão – Forma correta: órgão

cafèzinho – Forma correta: cafezinho

propôr – Forma correta: propor

Erros fonéticos

Trata-se de erros que decorrem da pronúncia incorreta de algumas palavras:

alcoolémia – Forma correta: alcoolemia

rúbrica – Forma correta: rubrica

mau-estar – Forma correta: mal-estar

Erros semânticos

Trata-se de erros que decorrem do facto de existirem duas palavras muito idênticas do ponto de vista gráfico ou fonético:

fatura descriminada – Forma correta: fatura discriminada

mandato de busca – Forma correta: mandado de busca

despoletar – Forma correta: espoletar  

Causas possíveis para o mau desempenho ortográfico

São inúmeras as causas que podem estar na origem dos erros ortográficos. As irregularidades e as especificidades ortográficas são, muito provavelmente, um dos fatores que contribuem em grande medida para as dificuldades da escrita. Como sabemos, não há uma correspondência unívoca entre sons e grafemas: uma letra pode representar vários sons (xaile, exame, máximo, fixar) e um som pode ser representado por diversas letras (chuva, xaile, astro, rapaz).

A par da falta de hábitos de leitura, da falta de consulta regular de dicionários e prontuários, da falta de uma revisão atenta do texto, aspetos psicológicos como a memória e a falta de atenção poderão também ser fatores que contribuem para um mau desempenho ortográfico.

Estratégias para o aperfeiçoamento da competência ortográfica

Existem algumas estratégias que podemos adotar para aperfeiçoarmos a nossa competência ortográfica: a consulta de dicionários e prontuários é uma prática que deve ser constante e sistemática, bem como o recurso a corretores automáticos. A prática de reescrita e de revisão atenta do texto é também um aspeto que devemos valorizar.

É muito importante que sejamos regularmente expostos à forma cuidada das palavras e tenhamos contacto regular com a leitura (literária e não literária).

E para que estas estratégias se tornem eficazes, é fundamental que todos nós, falantes da língua portuguesa, possamos desenvolver a nossa consciência ortográfica, uma vez que, sem reconhecer o erro, jamais procuraremos corrigi-lo. 

Fonte

 artigo transcrito da edição digital da revista Visão do dia 17 de novembro de 2018. 

Sobre a autora

É mestre em Linguística Portuguesa pela Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa. É professora no Instituto Superior de Comunicação Empresarial. É formadora do Centro de Formação da RTP e colaboradora de duas rubricas de Língua Portuguesa: Agora, o Português (RTP 1) e Jogo da Língua (Antena 1). É autora dos livros Falar bem, Escrever melhor e 500 Erros mais Comuns da Língua Portuguesa e coautora dos livros Gramática Descomplicada, Pares Difíceis da Língua Portuguesa, Pontapés na Gramática, Assim é que é Falar!SOS da Língua PortuguesaQuem Tem Medo da Língua Portuguesa? Mais Pares Difíceis da Língua Portuguesa e de um manual escolar de Português: Ás das Letras 5. Mais informação aqui.