"Descriminadas": um erro crasso... com chancela governamental - Pelourinho - Ciberdúvidas da Língua Portuguesa
Este é um serviço gracioso e sem fins comerciais, de esclarecimento, informação e debate sobre a língua portuguesa, o idioma oficial de Angola, Brasil, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Moçambique, Portugal, São Tomé e Príncipe e Timor-Leste. Sem outros apoios senão a generosidade dos seus consulentes, ajude-nos a dar-lhe continuidade: Pela viabilização do Ciberdúvidas. Os nossos agradecimentos antecipados.
Início Português na 1.ª pessoa Pelourinho Artigo
"Descriminadas": um erro crasso... com chancela governamental
"Descriminadas":
um erro crasso... com chancela governamental

«Se é alérgico ou intolerante a alguma das substâncias a seguir descriminadas e tem dúvidas se esta foi utilizada na preparação/confeção do que pretende consumir (...)»

 

A AHRESP (Associação da Hotelaria, Restauração e Similares de Portugal), juntamente com o Governo de Portugal, distribuiu, junto de cafés e restaurantes, informações sobre alimentos que podem provocar alergias ou intolerâncias.

Com a colaboração do Governo de Portugal, estes cartazes, que se encontram publicamente afixados em casas de alimentação do país, apresentam um erro frequente em língua portuguesa. É a dissimilação. Trata-se de um processo fonológico – de pronúncia, portanto – segundo o qual dois sons próximos perdem alguma semelhança, afastando-se. Assim, dois sons iguais tornam-se, a nível da pronúncia, diferentes.

É a dissimilação que justifica a pronúncia diferente dos dois ii de ministro, em menistro, privilégio em previlégio, adivinhar em adevinhar. São pronúncias menos cultas do português. Este processo fonológico torna-se patente neste cartaz pela má grafia da palavra descriminadas, grafia que acompanha o processo de dissimilação fonológica. Lamentável a chancela do Governo de Portugal num texto com um erro crasso de ortografia.

Sobre a autora

Isabel Casanova, licenciada em Filologia Germânica, mestre e doutora em Linguística Inglesa pela Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa. É professora associada com agregação da Faculdade de Ciências Humanas da Universidade Católica Portuguesa e especialista em Estudos Contrastivos e Lexicografia. Das suas atividades destacam-se especialmente a lecionação nos Mestrados em Linguística Aplicada ao Ensino do Inglês e da sua obra destacam-se, entre outros: Manual de Linguística Inglesa, Linguística Contrastiva: O Ensino da Língua Inglesa, A Língua no Fio da Navalha; Ensaio para um Dicionário da Língua PortuguesaDicionário Terminológico: Compreender a TLEBS, Discursar em Português... e não só, Português para o Mundo, Português Revisitado: Dúvidas e Erros Frequentes, assim como a colaboração como especialista de língua portuguesa nas edições da Enciclopédia Larousse publicada em Portugal.