As consoantes pré-nasalizadas de origem banta na grafia do português de Angola - O nosso idioma - Ciberdúvidas da Língua Portuguesa
Este é um serviço gracioso e sem fins comerciais, de esclarecimento, informação e debate sobre a língua portuguesa, o idioma oficial de Angola, Brasil, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Moçambique, Portugal, São Tomé e Príncipe e Timor-Leste. Sem outros apoios senão a generosidade dos seus consulentes, ajude-nos a dar-lhe continuidade: Pela viabilização do Ciberdúvidas. Os nossos agradecimentos antecipados.
Início Português na 1.ª pessoa O nosso idioma Artigo
As consoantes pré-nasalizadas de origem banta na grafia do português de Angola
As consoantes pré-nasalizadas de origem banta
na grafia do português de Angola

 

A propósito da dúvida – entretanto esclarecida na resposta "Uma sigla com nomes de uma língua banta" – sobre a fixação ou não da  inicial N  do nome cuanhama Ndemufayo, o nosso consultor Miguel Faria de Bastos lembra neste seu apontamento como em Angola se tem processado no português a representação gráfica de casos similares com outras línguas nacionais do país – algo diferente, por exemplo, com a solução adotada no Vietname com os sons inexistentes no francês.

 

 

No Jornal de Angola 8/10/2016, aparece uma notícia relativa à  aldeia de Mbanza Magina, identificada como próxima da cidade de Mbanza Congo (Salvador do Congo, no tempo colonial), da província do Zaire, onde predomina, como regional (nacional, segundo o estatuto legal), a língua quicongo (língua banta distribuída por cinco países, Angola incluída, com dezenas de variedades, algumas em fase de fusão por via do casamento, da transdomiciliação  e da itinerância intervarietais – línguas bantas  exclusivas de Angola são apenas o quimbundo e o umbundo).

Na província do Zaire, segundo apurei, muita gente (sobretudo no estrato não alfabetizado ou pouco escolarizado) pronuncia estes dois topónimos com descaso pelo grafema M, com a presença do fonema nasal tradicional. Já na cidade de Luanda, onde  os falantes da língua quicongo são uma minoria (que faz diglossia com o português), o M que inicia o antropónimo lê-se correntemente como a consoante M sem qualquer nasalização. Ou seja, o grafema M passou aí a representar o fonema anterior, não só  graficamente, mas também foneticamente. Este fenómeno parece explicar-se pelo facto de a língua portuguesa, única oficial em Angola, não ter um grafema que corresponda a um fonema nasal alheado de consoante ou vogal. Tal grafema nunca foi criado oficialmente ou não oficialmente em Angola.

No Vietname, curiosamente, foi adotado o alfabeto latino em substituição dos ideogramas, mas criaram-se novas letras (letras latinas modificadas) para representação de sons vietnamitas inexistentes na língua francesa.

Uma das escolas de Luanda após a independência passou a chamar-se Ngola Kaníni (ex-João Crisóstomo), e todos os seus  professores, tanto quanto consegui observar, pronunciavam o N inicial como consoante não anasalada.

O próprio topónimo nacional Angola provém de Ngola ou N’gola, que, na origem, tinha o N pronunciado como fonema nasal isolado, não sobreposto na consoante G. A solução encontrada com o tempo foi a prótese da letra A antes do N, de modo a salvar-se a nasalização e a evitar-se a aférese do fonema nasal grafado como N.

Em consentaneidade com o que atrás vem dito, também entendo que a sigla, no caso posto pelo consulente angolano na pergunta em causa, deve integrar também a letra N.

Sobre o autor

Miguel Faria de Bastos é advogado, luso-angolano;  estudioso de Interlinguística (vg, Esperanto e Esperantologia).