O verbo meter, um caso de empobrecimento vocabular, e a linguagem inclusiva vista de Espanha - Ciberdúvidas da Língua Portuguesa
Este é um serviço gracioso e sem fins comerciais, de esclarecimento, informação e debate sobre a língua portuguesa, o idioma oficial de Angola, Brasil, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Moçambique, Portugal, São Tomé e Príncipe e Timor-Leste. Sem outros apoios senão a generosidade dos seus consulentes, ajude-nos a dar-lhe continuidade: Pela viabilização do Ciberdúvidas. Os nossos agradecimentos antecipados.
Início Aberturas Abertura
O verbo meter, um caso de empobrecimento vocabular, e a linguagem inclusiva vista de Espanha
O verbo meter, um caso de empobrecimento vocabular,
e a linguagem inclusiva vista de Espanha
Por Ciberdúvidas da Língua Portuguesa 163

1. O empobrecimento da língua condicionado por fenómenos similares ao da plurissignificação do verbo meter motiva a reflexão apresentada pela professora e linguista Carla Marques, na rubrica  O Nosso Idioma, num texto onde reúne e analisa exemplos de uso do verbo na conversação quotidiana que nos mostram o esforço interpretativo que este implica. Ainda nesta rubrica, uma síntese da entrevista do jornal El MundoSalvador Gutiérrez Ordóñez, linguista, responsável pela secção "Español al día", da Real Academia Espanhola, e membro do Conselho para a Fundação do Espanhol Urgente (Fundéu BBVA), onde se aborda a questão da linguagem inclusiva, que o linguista considera que não irá vingar, dada a pressão da economia linguística nos usos quotidianos. Discute-se, também, o papel de uma Comissão da Real Academia Espanhola para o estudo da aplicação da linguagem inclusiva. Ainda em análise as consequências da pressão da língua inglesa sobre a espanhola, a linguagem dos políticos espanhóis, a educação e a Catalunha, entre outros assuntos.  

     Questões relacionadas com o verbo meter já estiveram em destaque no Consultório. Recordamos aqui «Meter-se a» + infinitivo «Meter para fora». A problemática do género na língua tem também estado muito presente no Ciberdúvidas, motivando questões como Sobre o género gramatical das palavras, Igualdade no/de género e entre génerosGénero masculino não marcadoO símbolo @ nos plurais que denotam ambos os géneros.

2. No âmbito da questão da tensão entre as línguas africanas e as línguas oficiais, Filipe Zau, investigador e professor, apresenta um artigo, disponibilizado na rubrica Diversidades onde dá conta da perspetiva de Joseph Poth, especialista em didática de línguas no Instituto Nacional da República Centro Africana, que defende a introdução das línguas maternas africanas no sistema de ensino.

3. No Consultório, as questões relacionam-se com a classificação de orações nas frases «E vedes qual será a loação» e «Quem me dera que fosses feliz». Em análise encontramos também os valores temporal e aspetual da construção perifrástica andar a + infinitivo e a diferença entre flexibilidade e flexibilização. Por fim, uma dúvida sobre o uso  das maiúsculas em nomes próprios compostos, como América do Norte ou América do Sul.

4. A respeito da situação da língua portuguesa nos países africanos de língua oficial portuguesa e em Timor-Leste, assinale-se a notícia – no jornal Público, de 8/11/2018 – da realização do IV Congresso de Cooperação e Educação (COOPEDU IV), que decorre de 8 a 9 de novembro p.f. no Instituto Universitário de Lisboa (ISCTE-IUL), em Lisboa. Este encontro é fruto da iniciativa do Centro de Estudos Internacionais do ISCTE-IUL e da Escola Superior de Educação e Ciências Sociais do Instituto Politécnico de Leiria, que o organizam desde 2010, tendo a edição de 2018 o propósito de «refletir sobre as questões da qualidade dos sistemas educativos, dos fatores que influenciam as reformas educativas, das políticas educativas locais, nacionais e globais, da formação vocacional/profissional e da inovação» (do texto de apresentação do COOPEDU IV). O congresso compreende quatro eixos de análise e debate: cooperação portuguesa na área da educação; medidas para a qualidade nos sistemas de ensino africanos; formação de recursos humanos em África; políticas linguísticas nos países africanos (mais informação aqui e no programa).

5. No programa Língua de Todos, que vai para o ar na RDP África, na sexta-feira, dia 7 de novembro, pelas 13h15* (com repetição no sábado, 8/11), destaque para a entrevista com Ana Paula Gonçalves, da Ciberescola, sobre III Congresso Internacional de Cultura Lusófona Contemporânea. No programa Páginas de Português, emitido pela  Antena 2, no domingo, 11 de novembro, às 12h30* (com repetição no sábado seguinte, 10/11, às 15h30),  Manuel Ferreiro, professor da Faculdade de Filoloxía Universidade da Coruña, fala do projeto Universo Cantigas, que visa levar a cabo a edição crítica digital dos textos que integram a lírica profana galego-portuguesa, no sentido de dar continuidade ao Glossário da poesia medieval profana galego-portuguesa  (disponível no mesmo site e também aqui).

Os programas Língua de Todos, e Páginas de Português  ficam  disponíveis posteriormente aqui e aqui. Hora oficial de Portugal continental.