O português na tradução e como língua transfronteiriça - Ciberdúvidas da Língua Portuguesa
Este é um serviço gracioso e sem fins comerciais, de esclarecimento, informação e debate sobre a língua portuguesa, o idioma oficial de Angola, Brasil, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Moçambique, Portugal, São Tomé e Príncipe e Timor-Leste. Sem outros apoios senão a generosidade dos seus consulentes, ajude-nos a dar-lhe continuidade: Pela viabilização do Ciberdúvidas. Os nossos agradecimentos antecipados.
Início Aberturas Abertura
O português na tradução e como língua transfronteiriça
O português na tradução e como língua transfronteiriça
Por Ciberdúvidas da Língua Portuguesa 1K

1. O português continua a salientar-se como veículo de cultura à escala global. Dados facultados pela UNESCO e disponíveis no Novo Atlas da Língua Portuguesa – obra que teve o seu lançamento em 15 de novembro p. p., em Lisboa – evidenciam que é a 18.ª língua em que mais se traduz, e os autores que nela escrevem fazem com que alcance o 8.º lugar entre as mais traduzidas. As frases e palavras do português aparecem vertidas, em primeiro lugar, em espanhol, depois em inglês e seguem-se o francês, o alemão e o italiano; mas os escritores brasileiros e portugueses também são lidos em húngaro, catalão, sérvio e russo. E quais os autores mais traduzidos? Os lugares cimeiros vão para o brasileiro Paulo Coelho e para o português José Saramago (consultar Notícias).

2. Em Portugal e em Espanha, o termo raia, ou raya, significa o mesmo que «fronteira». Esta linha, que aparta os dois Estados e os pôs «de costas voltadas», constitui uma das mais antigas fronteiras da Europa, acabando, ao longo de tantos séculos, por conter a interação das populações e a difusão de hábitos. Paradoxalmente, a raia soube definir-se também como região de contacto linguístico transfronteiriço, pelo que hoje é possível reavivar os laços fortes com a Galiza, revelar a singularidade da Terra de Miranda, ligada a Zamora e Leão, ou prolongar linguisticamente o Alentejo quer na Estremadura espanhola quer na Andaluzia, ou vice-versa, sobretudo em Olivença e Barrancos. É, pois, de louvar o lançamento do portal Fronteira Hispano-Portuguesa (Frontespo), o qual disponibiliza os resultados do projeto homónimo, visando a investigação de um rico património linguístico que espelha a transgressão secular dos limites impostos pelos poderes centrais.

3. O consultório foca neste dia os seguintes tópicos:

– Os substantivos regulação e regulamentação são sinónimos?

– Pode dizer-se «o paciente entrou num coma», ou «dois comas, três comas...»?

– Como se usa o verbo poupar: «poupei-me a trabalhos» ou «poupei-me de trabalhos»?

– O que significa tirone?

3. A respeito dos programas produzidos pelo Ciberdúvidas para a rádio pública portuguesa:

– No Língua de Todos de sexta-feira, 18 de novembro (às 13h15*, na RDP África; com repetição no sábado, 19 de novembro, depois do noticiário das 9h00*), a professora Sandra Duarte Tavares esclarece várias dúvidas: o que são verbos abundantes? E verbos compostos?

– A propósito da doação ao Museu de Neorrealismo, em Vila Franca de Xira, do espólio do escritor português nascido em Goa Orlando da Costa (1929-2006), autor de Podem Chamar-me Eurídice, o Páginas de Português de domingo, 20 de novembro, na Antena 2 (às 12h30*, com repetição no sábado seguinte, às 15h30*) conversa com António Pedro Pita, diretor da referida instituição.

* Hora oficial de Portugal continental.