Em esperanto, como em português, para comunicar - Ciberdúvidas da Língua Portuguesa
Este é um serviço gracioso e sem fins comerciais, de esclarecimento, informação e debate sobre a língua portuguesa, o idioma oficial de Angola, Brasil, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Moçambique, Portugal, São Tomé e Príncipe e Timor-Leste. Sem outros apoios senão a generosidade dos seus consulentes, ajude-nos a dar-lhe continuidade: Pela viabilização do Ciberdúvidas. Os nossos agradecimentos antecipados.
Início Aberturas Abertura
Em esperanto, como em português, para comunicar
Em esperanto, como em português, para comunicar
Por Ciberdúvidas da Língua Portuguesa 883

Num mundo globalizado, torna-se imperioso dispor de uma língua facilitadora da comunicação (a menos que a tecnologia proporcione meios de tradução rápida, em presença). Mundialmente, o inglês tem desempenhado esse papel, apesar de línguas que se projetam pelo número e pela dispersão dos seus falantes, como acontece com o português, ou pelo seu prestígio, a exemplo do italiano. Tudo isso são línguas que carregam, para o bem e para o mal, a história das comunidades que as falam, e, como sabemos, a memória e a identidade dos povos criam muitas vezes barreiras entre eles. Justifica-se, portanto, o ideal de construir um idioma novo, acessível a toda a humanidade, afastado de velhos preconceitos e capaz de incentivar o entendimento entre as nações. Foi esse o propósito de Ludovico Zamenhof (1859-1917) há mais de cem anos, ao criar o esperanto, muito estudado na primeira metade do século XX, no contexto da reivindicação de uma sociedade mais justa e tolerante. Hoje, mantém-se o interesse por esta língua planeada, e a prova está na realização do 100.º Congresso Universal do Esperanto, entre 25 de julho e 1 de agosto p. f., em Lille (França). A rubrica Diversidades assinala o acontecimento com um texto do jurista português Miguel Faria de Bastos, que avalia o contributo do esperanto para o progresso social e descreve o que são os seus congressos universais.

Sabemos que as línguas ditas "naturais", como veículos da administração e da alta cultura, surgem menos naturalmente do que se poderia supor, afirmando-se como produtos históricos, frequentemente elaborados por força das circunstâncias políticas: lembremos o caso do croata e do sérvio, que há cerca de três décadas, antes do desmembramento da Jugoslávia, eram encarados como uma única língua, o servo-croata. Além disso, as línguas refletem igualmente imagens mentais, não isentas de preconceitos: basta referir os significados pejorativos ainda não há muito tempo atribuídos à palavra judeu.

Vem, portanto, a propósito falar de um curioso texto do blogue do sociolinguista Rafael del Moral (em espanhol) sobre as origens da língua portuguesa: não será que chamamos português ao que seria sempre o galego, se não fosse a independência de Portugal? Quanto a etnónimos, que dizer de cigano? Qualquer dicionário de português juntará ao sentido genérico da palavra – «relativo a ou indivíduo dos ciganos, povo itinerante que emigrou do Norte da Índia para o oeste (antiga Pérsia, Egito), de onde se espalhou pelos países do Ocidente» (Dicionário Houaiss) – aceções com função pejorativa («burlão», «impostor», «trapaceiro»). Talvez seja tempo de repensar a definição de cigano, sobretudo depois de assistir ao seguinte vídeo*:

 * Trata-se de um trabalho que a Fundación Secretariado Gitano criou para a campanha de protesto lançada em 8 de abril de 2015 contra a inclusão de trapacero («trapaceiro») entre as aceções atribuídas a gitano («cigano» em espanhol) na última edição impressa do dicionário da Real Academia da Língua Espanhola.

O português é uma língua bem enraizada no continente africano, razão por que o programa Língua de Todos, transmitido na sexta-feira, 24 de julho (às 13h15*, na RDP África; com repetição no dia seguinte, 25 de julho, depois do noticiário das 9h00*) entrevista Madalena Arroja, diretora de Serviços de Língua e Cultura do Camões – Instituto da Cooperação e da Língua, sobre os projetos desta instituição para África e, em especial, para os PALOP. Quanto ao Páginas de Português de domingo, 26 de julho (às 17h00*, na Antena 2), o convidado é o escritor português Mário Cláudio, premiado pela Associação Portuguesa de Escritores pelo seu último romance, Retrato de Rapaz.