Reinhard Selten (1930-2016)* - Ciberdúvidas da Língua Portuguesa
Este é um serviço gracioso e sem fins comerciais, de esclarecimento, informação e debate sobre a língua portuguesa, o idioma oficial de Angola, Brasil, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Moçambique, Portugal, São Tomé e Príncipe e Timor-Leste. Sem outros apoios senão a generosidade dos seus consulentes, ajude-nos a dar-lhe continuidade: Pela viabilização do Ciberdúvidas. Os nossos agradecimentos antecipados.
Reinhard Selten (1930-2016)*
3K

Em 23 de agosto a esperantofonia perdeu um do seus mais eminentes esperantistas com o falecimento do Prof. Dr. Reinhard Selten, nascido em 5 de outubro de 1930. Em 1961 doutorou-se em Matemática na Universidade Goethe, de Francoforte no Meno, onde em 1968 adquiriu o diploma de docente. No ano letivo de 1967-1968 foi professor convidado da Universidade da Califórnia em Berkeley. Foi professor na Universidade Livre de Berlim em 1969-1972, na Universidade de Bielefeld em 1972-1984 e, desde 1984, na Universidade de Bona. De 2006 até 2014, dirigiu um projeto de pesquisa sobre economia experimental na Academia de Ciências e Artes em Nordrejna-Vestefália. Onze universidades atribuíram-lhe o doutoramento honorário.

Em outubro de 1994, Selten tornou-se, com dois economistas norte-americanos, laureado com o Prémio Nobel sobre economia por causa da sua eminente contribuição para a teoria do jogo. Além da teoria do jogo, Selten fez pesquisa pioneira sobre economia experimental e sobre limigita racionalidade limitada. Na sua ampla bibliografia científica, mormente em alemão e inglês, encontra-se também a obra "Devo aprender Esperanto? Introdução à teoria dos jogos linguísticos” (1982; 2.ª edição em 1995), com coautoria de Jonathan Pool

Sobre a sua esperantistização, o próprio Selten conta o seguinte: «Comecei a aprender Esperanto aos 17 anos de idade como autodidata. De facto, vi e li superficialmente um livro de Esperanto anteriormente em Breslau, onde vivi até fevereiro de 1945. O meu pai era esperantista, bastante ativo no movimento esperantista dos cegos. No entanto, não aprendi a língua por direta instigação dele, mas sim somente bastante tempo depois da sua morte.»

Em Francoforte (c. 1960) Selten submeteu-se a exame para docentes de esperanto e foi vice-presidente do clube local. Conheceu a sua esposa através do esperanto e ensinou a língua ao seu irmão mais novo. Foi, tal como a esposa, membro vitalício da UEA desde 1969 e foi também membro da Associação de Esperanto da Alemanha e da Academia Internacional das Ciências de San Marino (AIS). No 84.º Congresso Universal de Esperanto em Berlim (1999) foi Reitor da Universidade Internacional do Congresso.

Sob o nome de Selten como redator, apareceu a coleção de estudos editada em diversas línguas “Os custos da (não) comunicação linguística europeia em 1997”. Com o Prof. Dr. Helmar Frank, publicou o livro bilingue Für Zweisprachigkeit in Europa”/”Por dulingveco en Europo [“Para uma bilingualidade na Europa”] (2005). No Parlamento Europeu, Selten bateu-se pelo esperanto como orador convidado em 9 de maio de 2007, por ocasião do 50.º aniversário do Tratado de Roma. Nas eleições europeias de 2009, foi o principal candidato da secção alemã do partido Europa-Democracia-Esperanto

No 80.º Congresso Universal de Esperanto em Tampere, Finlândia, en 1995, Reinhard Selten foi agraciado com o título de membro do Comité dos Patronos de Honra”da Associação Universal de Esperanto (UEA).

 

* notícia publicada no n.º 634 do Boletim Informativo da UEA – Universala Esperanto-Asocio (Associação Universal de Esperanto), de 1 de setembro, com tradução e a seguintes notas do nosso consultor Miguel Faria de Bastos

«Obs. 1. Usei acima o termo “bilingualidade” e não os termos “bilinguismo” ou “diglossia”, porque estes dois pressupõem uma justaposição de regiões de falantes de línguas diversas dentro dum mesmo país ou uma ambidextria glossodiatrópica ou glossodiastrática de alguns falantes de duas línguas étnicas dentro dum mesmo país. No caso, Selten propugnou pela cooficialidade do Esperanto, língua planeada interétnica, ao lado de cada uma das línguas nacionais reconhecidas pela União Europeia para uso dentro das instituições desta e entre elas. Apesar deste matiz, não me repugna que o termo “billinguismo” seja usado em vez de “bilingualidade”.

Obs. 2. Não traduzi os topónimos que marquei a vermelho, porque não conheço a tradução que possam ter para Português.

Obs. 3. O topónimo “Nordrejna” é um termo em esperanto que significa, salvo erro, "do Norte do Reno" ou “Renânia-Norte”.»