A língua como espelho da vida social - Ciberdúvidas da Língua Portuguesa
Este é um serviço gracioso e sem fins comerciais, de esclarecimento, informação e debate sobre a língua portuguesa, o idioma oficial de Angola, Brasil, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Moçambique, Portugal, São Tomé e Príncipe e Timor-Leste. Sem outros apoios senão a generosidade dos seus consulentes, ajude-nos a dar-lhe continuidade: Pela viabilização do Ciberdúvidas. Os nossos agradecimentos antecipados.
Início Aberturas Abertura
A língua como espelho da vida social
A língua como espelho da vida social
Por Ciberdúvidas da Língua Portuguesa 148

1. Na presente atualização, um denominador comum, o gosto em conhecer e explicar a língua, sem deixar de a relacionar com a vida social. É o caso das quatro novas respostas que trazem ao consultório novos tópicos de reflexão – dos significados do substantivo paradocente e do pronome pessoal consigo aos usos frásicos de «ter à mão» e do verbo  entreter.

Na imagem, o retrato de D. José Pessanha (1885), de Columbano (1857-1929). Repare-se no pormenor do espelho, à direita.

2. Em O nosso idioma, dois textos ilustrativos do valor documental do léxico do português:

– à volta da polissemia e da estilística do adjetivo bom, recupera-se da tradição metalinguística portuguesa do século XX um trecho de Língua e má língua (Livraria Bertrand, 3.ª edição, 1945), obra do escritor, jornalista, pedagogo e político português Agostinho de Campos (1870-1944); 

– a propósito do falecimento do autor norte-americano de banda desenhada Stan Lee em 12/11/2018, e evocando a memória de Steve Ditko, ambos celebrados autores das aventuras dos super-heróis da Marvel, uma abordagem ao termo «banda desenhada» numa crónica  da jornalista Rita Pimenta (do jornal Público de 18/11/2018).

3. Na Montra de Livros, apresenta-se um título curioso: O Pequeno Livro do Grandes Insultos, um novo livro do editor e cronista Manuel S. Fonseca, que com ele propõe uma «viagem arrojada à montanha-russa dos insultos», nomeadamente daqueles «que, de vez em quando, usamos para ferir de morte alguém».

4. Uma última nota, a respeito de outro autor, que, em Portugal, se tem distinguido pelo seu contributo para a divulgação de temas linguísticos e para a qualidade do debate em torno da língua portuguesa. Referimo-nos ao professor e tradutor Marco Neves, que em 20/11/2018, em Lisboa, lança o Dicionário de Erros Falsos e Mitos do Português. Do texto promocional, destaque para esta frase: «O autor ataca tabus, desmonta mitos e defende com unhas e dentes a riqueza da língua em toda a sua variedade social.»