A vírgula antes das construções proporcionais - Ciberdúvidas da Língua Portuguesa
A vírgula antes das construções proporcionais

As vírgulas entre parênteses nas frases abaixo não estariam quebrando uma relação do verbo com o seus complemento? Gostaria de saber como explico esse tipo de construção e se a pausa na fala tem alguma relação com o uso da vírgula nessas circunstâncias.

«Marcelo Odebrecht diz que (,)  quanto mais fala, mais 'complica' Lula.»

«Você tem a impressão de que (,) quanto mais trabalha mais fica endividado?»

«Alguns dizem que(,)quanto mais preta é a fruta, mais doce é o suco.»

«Dermatologistas alertam que (,) quanto mais cedo começarem os cuidados, melhor.»

Agradeço a atenção.

Elton Gomes Revisor Olinda, Pernambuco, Brasil 42

No caso apresentado, não se deve fazer uso da vírgula.

O constituinte «quanto mais … mais…», inclui, segundo a nomenclatura gramatical brasileira, uma oração subordinada adverbial proporcional1, que se sublinha na frase (1):

(1) «Quanto mais estudas, mais longe chegas.»

Dado que neste tipo de construção a oração subordinada é colocada antes da oração subordinante («mais longe chegas»), é de regra colocar-se uma vírgula a separar as duas orações.

No caso em apreço, a sintaxe é mais complexa, uma vez que se usa a construção proporcional como estrutura completiva de um verbo dicendi:

(2) «Ele disse que quanto mais treinar, mais forte ficará.»

Esta construção ocupa a função de complemento direto, como se pode confirmar pela possibilidade de substituição por isto:

(2a) «Ele disse isto.»

Neste caso, não se deve separar o verbo do seu complemento, pelo que não se justifica o uso da vírgula.

Este uso é atestado também por alguns autores, como se observa nos exemplos seguintes:

(3) «[…] acho que quanto mais alto se sobe, mais longe se avista […]» (José Saramago, O ano da morte de Ricardo Reis)

(4) «Só sei que quanto mais a velha sevilhana me passava a mão pelo cabelo e me dava o cravinho a cheirar, mais eu me desfazia em choro […]» (Vitorino Nemésio, Corsário das ilhas)

 

Disponha sempre!

 

1. Estas orações são consideradas construções de graduação tanto na gramática coordenada por Mira Mateus (Gramática da língua portuguesa. Caminho, p.765-766) como na coordenada por Paiva Raposo (Gramática do português. Fundação Calouste Gulbenkian, pp. 2164-2165).

Carla Marques
Tema: Uso e norma