Sobre antropónimos e topónimos originários de outras línguas - Ciberdúvidas da Língua Portuguesa
Este é um serviço gracioso e sem fins comerciais, de esclarecimento, informação e debate sobre a língua portuguesa, o idioma oficial de Angola, Brasil, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Moçambique, Portugal, São Tomé e Príncipe e Timor-Leste. Sem outros apoios senão a generosidade dos seus consulentes, ajude-nos a dar-lhe continuidade: Pela viabilização do Ciberdúvidas. Os nossos agradecimentos antecipados.
Sobre antropónimos e topónimos originários de outras línguas

O acordo ortográfico da Língua Portuguesa – artigo 164, alínea j), e 169, n.º 5, revela que as letras k, w e y se usam nos seguintes casos especiais:

a) Em antropónimos/antropônimos originários de outras línguas e seus derivados: Franklin, frankliniano; Kant, kantismo, Darwin, darwinismo; Wagner, wagneriano; Byron, byroniano; Taylor, taylorista;

b) Em topónimos/topônimos originários de outras línguas e seus derivados: Kwanza, Kuwait, kuwaitiano; Malawi, malawiano;

c) Em siglas, símbolos e mesmo em palavras adotadas como unidades de medida de curso internacional: TWA, KLM; K-potássio (de kalium) W-oeste (West); kg-quilograma, km-quilómetro, kW-kilowatt, yd-jarda (yard); Watt.

No entanto, os diversos dicionários da língua portuguesa apresentam várias palavras com k, y e w que não têm nada que ver com os parâmetros mostrados anteriormente, como por exemplo:

• Rugby, rally

• Windsurf, bowling

• Karaté, skate

Posso referir este caso como uma violação/crime perante o Acordo Ortográfico da Língua Portuguesa?

Sérgio Machado Estudante Leiria, Portugal 3K

Claro que as seis palavras apontadas só podem incluir-se em textos portugueses se grafadas em itálico (que corresponde ao sublinhado manuscrito ou de máquina de escrever). Contudo rugby já se acha aportuguesado em râguebi, bem como rally em rali, e nada impede que se possa fazer o mesmo com karaté, escrito caraté.

F. V. Peixoto da Fonseca