Este é um serviço gracioso e sem fins comerciais, de esclarecimento, informação e debate sobre a língua portuguesa, o idioma oficial de Angola, Brasil, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Moçambique, Portugal, São Tomé e Príncipe e Timor-Leste. Sem outros apoios senão a generosidade dos seus consulentes, ajude-nos a dar-lhe continuidade: Pela viabilização do Ciberdúvidas. Os nossos agradecimentos antecipados.
Pretérito perfeito e construção de texto

Queria felicitar-vos pelo excelente trabalho que fazem, pois o Ciberdúvidas é ferramenta muito útil para quem tem dúvidas na língua portuguesa. Gostaria de saber quando redigimos um texto e utilizamos as formas verbais no pretérito perfeito. Devemos manter esse tempo verbal até ao fim?

E na frase «Mas como lá não havia universidade, iria viver para Lisboa para poder tirar o curso», a forma "iria" está correcta? Não posso substituir por "foi"?

Obrigada.

Virgínia M. Formadora Messines, Portugal 5K

Agradecemos as suas palavras de apreço.

1. A sele{#c|}ção de formas verbais depende de vários fa{#c|}tores, de índole diversa, por exemplo:

— do género/tipologia textual;
— da atribuição de relevo (distinção entre eventos de 1.º plano e eventos de plano de fundo);
— da expressão de progressão/não progressão temporal;
— da expressão de valores modais;
— do enquadramento enunciativo.

É difícil, num texto narrativo, manter apenas o pretérito perfeito. Essa situação é mais provável num relatório ou numa síntese, mas não é obrigatória.

2. O condicional/futuro do pretérito iria está corre{#c|}to; a forma pode ser substituída por foi, sendo que, nesse caso, se altera o quadro enunciativo da sequência textual. Assim, em «Mas como lá não havia universidade, iria viver para Lisboa para poder tirar o curso», a situação é perspectivada a partir de um ponto de referência alheio ao momento de enunciação (expresso, por exemplo, por naquele tempo, naquele ano, naquela altura); em «Mas como lá não havia universidade, foi viver para Lisboa para poder tirar o curso», a situação é perspectivada a partir do momento da enunciação (o «aqui e agora em que falo contigo»). A recriação de um contexto mais extenso ajuda a perceber melhor esse outro enquadramento temporal:

— Sabias que o Zé já não mora aqui?
— Sabia, como cá não havia universidade, foi viver para Lisboa para poder tirar o curso.

Ana Martins
Tema: Pragmática Classe de Palavras: verbo
Áreas Linguísticas: Discurso/Texto; Semântica Campos Linguísticos: Semântica temporal; Deixis