«Paisagens que os artistas descrevem como de uma beleza extraordinária» – um caso de elipse linguística - Ciberdúvidas da Língua Portuguesa
Este é um serviço gracioso e sem fins comerciais, de esclarecimento, informação e debate sobre a língua portuguesa, o idioma oficial de Angola, Brasil, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Moçambique, Portugal, São Tomé e Príncipe e Timor-Leste. Sem outros apoios senão a generosidade dos seus consulentes, ajude-nos a dar-lhe continuidade: Pela viabilização do Ciberdúvidas. Os nossos agradecimentos antecipados.
«Paisagens que os artistas descrevem como de uma beleza extraordinária»
– um caso de elipse linguística

Tenho uma dúvida quanto à seguinte frase: «São paisagens que os artistas descrevem como de uma beleza extraordinária.»

Para mim, o mais correcto seria «como sendo de uma beleza extraordinária», mas gostava de perceber se a forma como está na frase também é possível e o porquê de ser ou não ser.

Obrigada. 

Inês Rebelo Estudante Lisboa, Portugal 386

A frase apresentada está correta. Esta constitui um caso de elipse linguística.

Na construção linguística existe a possibilidade de elipse, ou seja, de construir frases que não apresentem todo o material linguístico, mas que, não obstante, estão corretas e são interpretadas naturalmente pelos falantes, como se observa em (1) ou (2):

(1) «− Queres vir comigo ao cinema?

       − Sim [vou contigo ao cinema].»

(2) «O João gosta muito de ler e a Rita também [gosta muito de ler].»

Em ambos os exemplos, o material linguístico colocado entre parênteses retos não é verbalizado mas é recuperável por inferência.

O mesmo acontece no enunciado apresentado pela consulente:

(3) «são paisagens que os artistas descrevem como [sendo] de uma beleza extraordinária»

na qual se elide o verbo ser, que é recuperado por inferência. Note-se que a elisão do verbo não prejudica a interpretação da frase1.

Disponha sempre!

 

1. Para um maior aprofundamento da questão, consulte-se, por exemplo, Raposo et al., Gramática do Português. Fundação Calouste Gulbenkian, pp. 2351-2386.

Carla Marques
Tema: Uso e norma