Locuções e vírgulas - Ciberdúvidas da Língua Portuguesa
Este é um serviço gracioso e sem fins comerciais, de esclarecimento, informação e debate sobre a língua portuguesa, o idioma oficial de Angola, Brasil, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Moçambique, Portugal, São Tomé e Príncipe e Timor-Leste. Sem outros apoios senão a generosidade dos seus consulentes, ajude-nos a dar-lhe continuidade: Pela viabilização do Ciberdúvidas. Os nossos agradecimentos antecipados.
Locuções e vírgulas

Aprendi que as locuções devem sempre vir entre vírgulas, por exemplo: «ou seja», «isto é», «a meu ver», «às vezes», etc. No entanto, tenho observado que alguns escritores, inclusive no Dicionário Aurélio, não colocam entre vírgulas a locução «às vezes» (com crase). Em que situação pode ser usada sem as vírgulas? Parece-me que sempre deve ser entre vírgulas. Obrigado.

Albany Braz Brasil 28K

Nem sempre, visto que tudo depende da a posição da locução na frase. Se «às vezes» ocorrer em princípio ou em final de frase, não é obrigatório o uso de vírgula: «Às vezes apetece-me rir»; «Apetece-me rir às vezes». Mesmo no meio da frase não é necessário pôr vírgula: «ela pode às vezes estar triste». O que as gramáticas indicam (consultei Celso Cunha e Lindley Cintra, Nova Gramática do Português Contemporâneo, 1984, e Evanildo Bechara, Moderna Gramática Portuguesa, 2002) é que o uso da vírgula com locuções depende da sua função frásica ou textual, da sua dimensão e do seu número numa frase. Desta forma: – uma locução adverbial como às vezes não exige vírgula, a não ser que na frase esteja contígua a outra expressão: «À noite, às vezes, faz frio.» – uma partícula ou locução de explicação, correcção, continuação, conclusão, concessão requerem vírgula (ver Bechara, op. cit., pág. 610): «não obstante, havia certa lógica», «havia, não obstante, certa lógica».

Carlos Rocha