Inovar e renovar (II) - Ciberdúvidas da Língua Portuguesa
Este é um serviço gracioso e sem fins comerciais, de esclarecimento, informação e debate sobre a língua portuguesa, o idioma oficial de Angola, Brasil, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Moçambique, Portugal, São Tomé e Príncipe e Timor-Leste. Sem outros apoios senão a generosidade dos seus consulentes, ajude-nos a dar-lhe continuidade: Pela viabilização do Ciberdúvidas. Os nossos agradecimentos antecipados.
Inovar e renovar (II)

Pode dizer-se que a palavra inovação remete para uma "introdução" da novidade, na medida em que o prefixo i se refere a um movimento para dentro (cf. resposta); e que a palavra renovação remete para uma "repetição" da novidade, sendo o prefixo re entendido como elemento designativo de repetição? Poder-se-á a partir daqui extrapolar que no primeiro caso não é admissível que a acção recaia sobre um "objecto" existente (não fazendo sentido dizer "o mundo inova-se", mas sim "o autor inova"), sendo essa pré-existência necessária no segundo caso (fazendo aqui sentido "o mundo renova-se", mas não "o autor renova.")?

Filipe Mónica Arquiteto Lisboa, Portugal 42

A interpretação proposta tem alguma adequação na atualidade, porque, na verdade, inovar é muitas vezes sinónimo de criar (alguma coisa nova), enquanto renovar é equivalente a «fazer com que fique como novo; mudar o que já existe» (ver Textos relacionados). Nesta perspetiva, dir-se-ia que inovar é intransitivo («o autor inova»), e renovar, transitivo direto («o autor renova o mundo»), legitimando assim o uso deste último verbo na conjugação reflexa («o mundo inova-se»). Contudo, vê-se que há registos dicionarísticos que abonam o uso transitivo e reflexo de inovar, numa aceção muito semelhante, se não idêntica, à geralmente atribuída a renovar:

(1) «Inovou a pintura de sua casa.» (Dicionário Houaiss, 2001, s. v. inovar)

(2) «É preciso inovar a empresa. » (Dicionário da Língua Portuguesa Contemporânea da Academia das Ciências de Lisboa, 2001, s.v. inovar)

(3) «A sociedade inova-se, progride.» (idem, ibidem)

(3) «O engenheiro inovara o fabrico dos móveis.» (Dicionário Gramatical de Verbos Portugueses, Texto Editores, 2006, s. v. inovar)

(4) «A sua forma de pensar inovou-se após a emigração.» (idem ibidem)

Em todos estes exemplos, mesmo que se admita que a noção veiculada é a da novidade introduzida, deteta-se também o valor causativo que geralmente se associa a renovar («fazer com que fique/volte a ficar a novo»). A convergência semântica entre os dois verbos é, pois, possível, como sugerem os exemplos, os quais, no entanto, parecem ilustrar usos de inovar que lhe são menos característicos.

Carlos Rocha
Tema: Uso e norma Classe de Palavras: verbo
Áreas Linguísticas: Léxico; Semântica Campos Linguísticos: Atestação/Significado de palavras