As interjeições oh e ó num poema de Almeida Garrett - Ciberdúvidas da Língua Portuguesa
Este é um serviço gracioso e sem fins comerciais, de esclarecimento, informação e debate sobre a língua portuguesa, o idioma oficial de Angola, Brasil, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Moçambique, Portugal, São Tomé e Príncipe e Timor-Leste. Sem outros apoios senão a generosidade dos seus consulentes, ajude-nos a dar-lhe continuidade: Pela viabilização do Ciberdúvidas. Os nossos agradecimentos antecipados.
As interjeições oh e ó num poema de Almeida Garrett

 No poema "Barca Bela" [de Folhas Caídas] de Almeida Garrett (1799-1854), o ultimo verso deve grafar-se "ó pescador " ou "oh pescador"?

Obrigada.

Maria da Conceição Costa Cardoso Professora Guarda, Portugal 42

Pelo contexto, depreende-se que deveria escrever-se «ó pescador», conforme outros vocativos, em que se emprega a interjeição ó para marcar chamamento ou interpelação.

No entanto, o que se lê em várias edições e reproduções do poema é oh, a interjeição que «expressa surpresa, desejo, repugnância, tristeza, dor, repreensão» (Dicionário Houaiss, 2001) e que costuma ser seguida de ponto de exclamação ou vírgula. É de supor que certas edições recentes mantenham a forma oh por fidelidade ao que figura na edição de 1853 de Folhas Caídas, na qual se grafa oh.*

No contexto do ensino não universitário, pode considerar-se mais adequado escrever-se ó, em lugar de oh, muito embora se possa pensar que esta opção se revela um tanto empobrecedora, tendo em conta a polissemia e a margem de liberdade da linguagem poética.

 

* Veja-se, por exemplo, Flores sem Fruto e Folhas Caídas de Almeida Garrett, edição de Paula Morão, 4.ª ed., Lisboa, Comunicação, 1987.

Carlos Rocha
Tema: Uso e norma Classe de Palavras: interjeição