A locução «nem por sombras» - Ciberdúvidas da Língua Portuguesa
Este é um serviço gracioso e sem fins comerciais, de esclarecimento, informação e debate sobre a língua portuguesa, o idioma oficial de Angola, Brasil, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Moçambique, Portugal, São Tomé e Príncipe e Timor-Leste. Sem outros apoios senão a generosidade dos seus consulentes, ajude-nos a dar-lhe continuidade: Pela viabilização do Ciberdúvidas. Os nossos agradecimentos antecipados.
A locução «nem por sombras»

Gostaria de conhecer a origem da bela expressão «nem por sombras».

Grato desde já pelo serviço sempre impecável.

Pedro Ludgero Professor Vila Nova de Gaia, Portugal 1K

Entre várias fontes consultadas para elaboração desta resposta, não se achou informação sobre a história factual da locução «nem por sombras», que significa «nunca, de maneira algumas» (dicionário da Academia das Ciências de Lisboa).  O mais que aqui se pode dizer – por enquanto – é que terá génese na negação hiperbólica de uma coisa ou de um estado de coisas : «nem por sombras» = «nunca, nem mesmo a sombra disso». Conhece também a variante «nem por sombra», que não parece diferenciar-se semanticamente.

Observe-se que é possível atestar o uso desta locução adverbial, pelo menos, desde meados do século XVIII:

1. «A consciência não me acusa na matéria, nem por sombra, e para mim isto me basta [...]» (cartas do Abade António da Costa, 1744, in Corpus do Português).

2. «Mas o meu rapaz, o meu Ferrabrás; o meu contimpina, que de dia dorme, e de noite maquina! Oh! Esse, nem por sombras me quer aparecer, ou eu pude ver! Bárbaros! Assassinos! Traidores!» [Qorpo Santo (José Joaquim de Campos Leão), Certa Entidade em Busca de Outra, idem)

É de acrescentar que, em castelhano, se conhece expressão homóloga, «ni por sombra(s), pelo menos, desde o século XVII:

3. «Que reconozcáis, os diré, lo general de la vanidad de la cosa en sí misma. Que por aumento sólo de fausto ni por sombra la solicitéis o apetezcáis.» (Antonio López de Vega, Paradojas racionales, 1655 in Corpus Diacrónico del Español)

4. «Ea dejaos dessos rezelos, señora; recibid essa corona, que no es sino allegorico esse reino, metaforica essa corona, y es simbolica, no real. Y aun esso temo, y ni por sombras quiero corona, que me puede poner en contingencia el ser esposa.» (Francisco Garau, El Sabio Instruido de la Gracia, 1703 idem)

No espanhol contemporâneo, a expressão fixou-se como ni por sombras, com significado equivalente ao português «nem por sombras» (cf. dicionário da Real Academia Espanhola).

Parece, assim, plausível concluir que a expressão «nem por sombras» já existe há alguns séculos em português. A ocorrência de uma sua homóloga castelhana não significa forçosamente que a locução portuguesa seja um empréstimo do espanhol*, pois pode antes sugerir que se trata de um idiomatismo comum a ambas as línguas. Atendendo ao exemplo 3, é até legítimo supor que «nem por sombra» ou «nem por sombras» já ocorriam no português do século XVII.

* Mas também não é possível excluir a hipótese de a expressão ter sido criada em castelhano e ter passado quase imediatamente ao português, por exemplo, no período em que a corte portuguesa foi bilingue ou, mais tarde, na época da união dinástica sob a égide dos Habsburgos (entre 1580 e 1640). Sobre este tema, consultar o artigo "O castelhano como vernáculo português" do linguista português Fernando Venâncio.

Carlos Rocha
Tema: História da língua Classe de Palavras: locução