Carla Marques - Ciberdúvidas da Língua Portuguesa
Carla Marques
Carla Marques
13K

Doutorada em Língua Portuguesa (com uma dissertação na área do  estudo do texto argumentativo oral); investigadora do CELGA-ILTEC (grupo de trabalho "Discurso Académico e Práticas Discursivas"); autora de manuais escolares e de gramáticas escolares; formadora de professores; professora do ensino básico e secundário. Consultora permanente do Ciberdúvidas da Língua Portuguesa, destacada para o efeito pelo Ministério da Educação português.

 
Textos publicados pela autora

Inserir é um verbo com duplo particípio, com uma forma regular (inserido) e uma forma irregular (inserto).

De uma forma geral, as gramáticas resolvem o problema dos verbos abundantes, ou seja, aqueles que apresentam duplo particípio, através de uma distribuição sintática das formas participiais. Assim, refere-se, sempre de forma modalizada, que a forma regular do particípio dos verbos, a designada forma fraca, constrói-se com os verbos auxiliares ter e haver, ao passo que a forma irregular, a forma forte, é acompanhada pelos verbos ser ou estar.

É também facto que a forma participial dos verbos pode ser usada como adjetivo. No caso do verbo inserir, ambas as formas se encontram atestadas pelos dicionários com uso adjetival, sendo apresentadas como tendo significados sinónimos:

(1) «Leia-se o capítulo inserido no final da obra.»

(2) «Este assunto surge inserto no capítulo II da obra.»

Não obstante, verifica-se que a forma participial forte, inserto, tem tendência a entrar em desuso na língua portuguesa, como conclui o estudo de Villalva e Almeida1.

Assim sendo, qualquer uma das frases apresentadas pelo consulente está correta do ponto de vista gramatical, sendo a que recorre à forma inserido preferida do ponto de vista dos usos.

Disponha sempre!

 

1. Villalva, Alina e Almeida, Marta,

«Stay Away, Inglês»
O excesso do inglês na língua portuguesa

O recurso a expressões em língua inglesa é uma realidade na comunicação em língua portuguesa que vai das interações quotidianas às designações de novas realidades, como acontece com o nome da nova aplicação para telemóvel StayAway Covid, como nos explica a professora Carla Marques

Começar e Recomeçar

Na época em que se começarecomeça, como é típico do início do mês de setembro, uma reflexão da professora Carla Marques em torno dos verbos começarrecomeçar, da sua origem aos seus significados. Uma crónica emitida no programa Páginas de Português, na Antena 2, do dia 6 de setembro de 2020.

Raça e expressões racistas
Da motivação para a violência

Uma crónica de Carla Marques em volta da palavra raça e de expressões racistas que integram as palavras negro e preto, motivada pelo assassinato do ator português Bruno Candéalegadamente por motivos racistas (emitida no programa Páginas de Português, na Antena 2, do dia 2 de agosto de 2020).

Burla e Borla
Dos burlões que nos enganam e dos burlados que são apanhados
Uma crónica que trata as palavras burla e borla, inspirando-se nas recentes notícias vindas a público em torna dos esquemas de burla associados ao Banco Espírito Santo, que mostram que uma boa burla envolve milhões, enquanto o burlão age como se nada fosse.Uma crónica da professora Carla Marques emitida no programa Páginas de Português, na Antena 2, do dia 26 de julho de 2020.