Ana Martins - Ciberdúvidas da Língua Portuguesa
Ana Martins
Ana Martins
15K

Licenciada em Línguas e Literaturas Modernas – Estudos Portugueses, pela Faculdade de Letras da Universidade do Porto, e licenciada em Línguas Modernas – Estudos Anglo-Americanos, pela Faculdade de Letras da Universidade de Coimbra. Mestra e doutora em Linguística Portuguesa, desenvolveu projeto de pós-doutoramento em aquisição de L2 dedicado ao estudo de processos de retextualização para fins de produção de materiais de ensino em PL2 – tais como  A Textualização da Viagem: Relato vs. Enunciação, Uma Abordagem Enunciativa (2010), Gramática Aplicada - Língua Portuguesa – 3.º Ciclo do Ensino Básico (2011) e de versões adaptadas de clássicos da literatura portuguesa para aprendentes de Português-Língua Estrangeira.Também é autora de adaptações de obras literárias portuguesas para estrangeiros: Amor de Perdição, PeregrinaçãoA Cidade e as Serras. É ainda autora da coleção Contos com Nível, um conjunto de volumes de contos originais, cada um destinado a um nível de proficiência. Consultora do Ciberdúvidas da Língua Portuguesa e responsável da Ciberescola da Língua Portuguesa

 
Textos publicados pela autora
Ensinar gramática
Por que método?

Em Portugal, aceita-se frequentemente que a tradicional exposição em aula de conteúdos gramaticais, embora vigore na prática, é contraproducente no desenvolvimento de competências, sendo preferível uma abordagem indutiva. Ana Sousa Martins, coordenadora da Ciberescola da Língua Portuguesa, dá conta de como comparou os dois métodos no texto que segue, lido na rubrica "Cronicando" do programa Páginas de Português, pela Antena 2 transmitido em 27/01/2018 .

Sejamos claros
Subterfúgios da nominalização

O discurso formal, incluindo o da comunicação mediática, é fértil em nominalizações, pelas quais se substituem verbos – por exemplo, combater e corromper – pelos nomes correspondentes – combate e corrupção. É uma estratégia que deixa por identificar o agente da ação, porque as «[...] as nominalizações, ao transformarem o processo (verbo) numa coisa (nome), sugam as pessoas para fora da frase». Considerações da linguista Ana Sousa Martins num texto lido na rubrica "Cronigramas" do programa Páginas de Portuguêsemitido no dia  20 de janeiro de 2019

Números precisam-se
Falsas certezas no ensino das línguas

Em Portugal, julga-se que há respostas óbvias no domínio da pedagogia, da didática ou das metodologias no ensino de línguas, mas parecem escassear os dados quantitativos que as validam. O que se tem como certeza talvez não passe de mera impressão, faltando acesso ao tipo de formação requerida por uma investigação bem fundada. A crítica é da linguista Ana Sousa Martins, coordenadora da Ciberescola da Língua Portuguesa, que a formula num texto elaborado para a rubrica "Cronigramas" do programa Páginas de Português, transmitido pela Antena 2 em 16/12/2018.

Quando as metáforas deixam de ser metáforas
Os danos físicos da agressividade verbal

Numa visita que fez ao Bangladeche, o papa Francisco equiparou a maledicência ao terrorismo e certas palavras a armas de destruição. A ideia encontra apoio na investigação científica, que aponta para a capacidade da agressividade verbal de se repercutir nas nossas redes neuronais como um verdadeiro dano físico interno. Terá a metáfora papal tanta realidade como um murro na cara? A linguista Ana Sousa Martins comenta a questão, no apontamento que se segue, lido na rubrica "Cronicando" do programa Páginas de Português, emitido na Antena 2,  no dia 13/01/2019.

<i>América</i>
Sobre o nome e o gentílico dos Estados Unidos da América

«Objetivamente – lembra a autora neste  texto*  –, a palavra América designa as três Américas. [Só que] na comunicação normal entre as pessoas, América designa Estados Unidos da América.» (...)

* apontamento lido na rubrica "Cronicando" do programa Páginas de Português , emitido na Antena 2, no dia 6/01/2019.