Este é um serviço gracioso e sem fins comerciais, de esclarecimento, informação e debate sobre a língua portuguesa, o idioma oficial de Angola, Brasil, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Moçambique, Portugal, São Tomé e Príncipe e Timor-Leste. Sem outros apoios senão a generosidade dos seus consulentes, ajude-nos a dar-lhe continuidade: Pela viabilização do Ciberdúvidas. Os nossos agradecimentos antecipados.
A Incrível História Secreta da Língua Portuguesa
Marco Neves
Guerra e Paz, 2017 522   

Geralmente fala-se de história da língua – da portuguesa ou de outra –, e raramente se pensa nas pessoas que, fora dos grandes palcos do poder, no dia a dia, ao longo dos tempos, a foram falando e transmitindo ora em fases críticas, ora em períodos estáveis da vida coletiva. A proposta do livro é inovadora no contexto da divulgação e debate de temas da língua portuguesa, porque adota sobretudo uma perspetiva ficcional, dando maior relevo às questões concretas com as quais se deparam os falantes e as sociedades. A narração acompanha as aventuras de uma linhagem imaginária, os Contreiras, desde o século I a. C. até ao século XXI, por entre saltos temporais e excursos com que o narrador/autor discute e – na linha, aliás, do seu anterior livro – esclarece aspetos que constituem como que um ficheiro secreto da memória cultural portuguesa. Assim, revela-se que o português nasceu não na província hispânica da Lusitânia, mas, sim, na Galécia – a atual Galiza, o Norte de Portugal com extensões pelas Astúrias e por Leão – crescendo para o sul, na esteira da Reconquista e depois da Expansão extraeuropeia. Descobre-se que, no território de Portugal e nos países que conheceram a colonização portuguesa, já houve famílias bilingues ou até multilingues: celto-latinas na Antiguidade romana, árabo-românicas na Idade Média e luso-tupis no Brasil do século XVIII. E revelam-se os mistérios da atual variação regional e da elaboração da língua literária numa viagem até ao vale do rio Minho e ao sul da Galiza. A leitura é facilitada pela linguagem acessível, mesmo para jovens a frequentar, por exemplo, o ensino secundário. A todos, ensina-nos a conceber o português e a sua história não como insígnias identitárias rígidas que nos fecham fronteiras, mas antes como acessos privilegiados ao mundo, à cultura e, portanto, à nossa humanidade.

Carlos Rocha