«Vou ir», outra vez - Ciberdúvidas da Língua Portuguesa
Este é um serviço gracioso e sem fins comerciais, de esclarecimento, informação e debate sobre a língua portuguesa, o idioma oficial de Angola, Brasil, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Moçambique, Portugal, São Tomé e Príncipe e Timor-Leste. Sem outros apoios senão a generosidade dos seus consulentes, ajude-nos a dar-lhe continuidade: Pela viabilização do Ciberdúvidas. Os nossos agradecimentos antecipados.
«Vou ir», outra vez

A forma perifrástica é constituída por um verbo principal, no infinitivo ou no gerúndio, e um verbo auxiliar, no tempo que se quer conjugar. Por isso, gostaria de saber se está correcto dizer-se «vou ir», sendo que se trata de um pleonasmo.

António A. Estudante Funchal, Portugal 13K

1. A expressão da posterioridade da acção em relação ao momento da enunciação (a expressão de um tempo futuro) raramente é expressa pelo futuro simples. Domina o futuro perifrástico (i) ou o presente futural (ii):

 

«Hei-de ir ao médico.»
«Vou ao médico.»

2. Não há nenhuma ocorrência de «vou ir» no padrão do português europeu. Não podemos concluir, todavia, que tal se dá por estarmos em face de um pleonasmo: vou indo não é rejeitado como sendo um pleonasmo, da mesma maneira que vou vir não é sentido como uma contradição.

Porquê? Porque, tal como o consulente referiu, o verbo ir da primeira posição é um verbo auxiliar, ou seja, um verbo que sofreu um processo de gramaticalização. Falamos de gramaticalização quando uma palavra de significação objectiva se apresenta com uma significação gramatical ou, digamos, instrumental.

Na frase:

«Vai formosa e não segura/Leonor pela verdura», o verbo ir é um verbo pleno, significa «deslocar-se para um lugar distante do locutor».

Já na frase:

«Leonor vai tropeçando aqui e ali», o verbo ir transporta informação gramatical (aspectual, de visão prospectiva da acção).

Repare-se, a propósito, que as construções abaixo não são consideradas pleonásticas:

 

«Vou dirigir-me a»
«Vou deslocar-me a»

O mesmo se passa com «ia a ir»:

«Quando ia a ir para a fonte, Leonor torceu o tornozelo.»

3. Conclusão: de um modo geral, ninguém diz «vou ir», apesar de não haver nenhuma regra, gramatical ou semântica, que explicitamente coarcte essa construção.

Ana Martins
Classe de Palavras: verbo
Áreas Linguísticas: Gramática; Semântica Campos Linguísticos: Tempo/Modo/Pessoa/Número (verbos); Aspecto (verbos)