Uma oração subordinada adverbial concessiva - Ciberdúvidas da Língua Portuguesa
Este é um serviço gracioso e sem fins comerciais, de esclarecimento, informação e debate sobre a língua portuguesa, o idioma oficial de Angola, Brasil, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Moçambique, Portugal, São Tomé e Príncipe e Timor-Leste. Sem outros apoios senão a generosidade dos seus consulentes, ajude-nos a dar-lhe continuidade: Pela viabilização do Ciberdúvidas. Os nossos agradecimentos antecipados.
Uma oração subordinada adverbial concessiva

 «É razoável uma exigência que não pondera, minimamente que seja, os interesses em jogo?» é uma frase gramatical?

Se tivéssemos «ponderação, (por) mínima que seja», parece-me que o predicador é o adjetivo mínima (antecedente de que) e que o sujeito/argumento é ponderação. Mas em «minimamente que seja» não me é nada claro.

André Santos Consultor Lisboa, Portugal 170

A frase apresentada é gramatical. A oração «minimamente que seja» é um tipo oração subordinada adverbial concessiva que na Gramática do Português, de Paiva Raposo, recebe o nome de condicional-concessiva universal. Este tipo de orações apresenta a situação da oração subordinada como hipotética ou como não sendo verdadeira (cf. ob. cit., pp. 2017-2018). Esta oração é iniciada por uma expressão de quantificação, minimamente, que é acompanhada de uma oração impessoal1, «que seja». A oração também poderia ser iniciada por outras expressões, sintaticamente equivalentes, que incluem quantificadores, tais como por mais que, por muito que, entre outras.

 

 1. Uma oração impessoal é aquela que não tem sujeito e cujo verbo se conjuga na 3.ª pessoa do singular.

Carla Marques
Tema: Uso e norma
Áreas Linguísticas: Sintaxe Campos Linguísticos: Orações