Rosa-cruz - Ciberdúvidas da Língua Portuguesa
Este é um serviço gracioso e sem fins comerciais, de esclarecimento, informação e debate sobre a língua portuguesa, o idioma oficial de Angola, Brasil, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Moçambique, Portugal, São Tomé e Príncipe e Timor-Leste. Sem outros apoios senão a generosidade dos seus consulentes, ajude-nos a dar-lhe continuidade: Pela viabilização do Ciberdúvidas. Os nossos agradecimentos antecipados.
Rosa-cruz

Pretendo saber como deve ser feito o plural de rosa-cruz.

Já me disseram que não forma plural porque é uma ordem ou confraria.

Já me disseram que o plural seria rosas-cruzes (2 nomes, 2 plurais).

Já vi escrito rosa-cruzes.

Por favor, qual é a vossa opinião?

Obrigado.

António Lebres Professor Covilhã, Portugal 4K

Não há consenso quanto ao plural de rosa-cruz: as fontes consultadas dividem-se entre rosas-cruzes e rosa-cruzes.

Rebelo Gonçalves, no Vocabulário da Língua Portuguesa (1966), regista como plural do substantivo comum rosa-cruz a forma rosas-cruzes, também consignada no dicionário da Academia das Ciências de Lisboa e a que figura no Vocabulário Ortográfico do Português do Portal da Língua (ILTEC). No entanto, o Dicionário Houaiss, o Dicionário Priberam da Língua Portuguesa, o Vocabulário Ortográfico da Língua Portuguesa, da Porto Editora, e o Vocabulário Ortográfico Atualizado da Língua Portuguesa, da Academia das Ciências de Lisboa, todos pluralizam rosa-cruz como rosa-cruzes.

Poderíamos adotar a solução das fontes em maioria, mas acontece que o rigor que se reconhece normalmente ao vocabulário de Rebelo Gonçalves impede a rejeição de rosas-cruzes, pelo que estamos perante uma verdadeiro empate, que nos leva a considerar ambas as formas corretas. Lembremos que, em alternativa ao uso de rosa-cruz como substantivo, existe rosacrucianista e rosa-cruzista, que formam o plural regularmente.

Assinale-se que o Dicionário Houaiss classifica rosa-cruz como substantivo feminino, nas seguintes aceções: «sétimo e último grau ou a quarta ordem do rito francês da maçonaria, que tem por símbolos fundamentais o pelicano (filantropia), a cruz (justiça e imortalidade) e a rosa (segredo)»; «confraria de iluminados existente na Alemanha a partir do sXVI e difundida pelos países vizinhos no sXVII»; «nome de diversas fraternidades que usam o emblema da rosa e da cruz e seguem certas doutrinas espirituais e esotéricas» (note-se que não é incomum o uso de maiúscula inicial). O mesmo dicionário atribui o género masculino a este substantivo quando tem os significados de «maçom com o grau de rosa-cruz» e «adepto de uma dessas fraternidades de caráter espiritual e esotérico» (o dicionário não o diz, mas é claro que, passando as mulheres a ingressar eventualmente nestes grupos, a palavra pode também ser usada no feminino com os significados referidos).

Carlos Rocha
Tema: Uso e norma Classe de Palavras: substantivo
Áreas Linguísticas: Léxico; Morfologia Flexional