Pronúncia do dígrafo ou - Ciberdúvidas da Língua Portuguesa
Este é um serviço gracioso e sem fins comerciais, de esclarecimento, informação e debate sobre a língua portuguesa, o idioma oficial de Angola, Brasil, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Moçambique, Portugal, São Tomé e Príncipe e Timor-Leste. Sem outros apoios senão a generosidade dos seus consulentes, ajude-nos a dar-lhe continuidade: Pela viabilização do Ciberdúvidas. Os nossos agradecimentos antecipados.
Pronúncia do dígrafo ou

Será correcto pronunciar as palavras soubeste, soubesse como "sóbeste", "sóbesse"? Não será correcto na oralidade abreviar o "ou" para "ó", como quando dizemos por exemplo «dois "ó" três...» ou mesmo «p'rá e p'ró»? Aliás, nós no Sul [de Portugal] nunca pronunciamos "ou", mas sim "ô", logo no máximo diremos "sôbesse"…

Susana Pereira Estudante Lisboa, Portugal 5K

Na pronúncia de Lisboa e em grande parte do Centro e do Sul de Portugal, o par de letras <ou> já não se lê como ditongo — [ow] ou [ɐw] —, mas como um ó fechado — [o]—, na sequência de um fenómeno de monotongação, que consiste em um ditongo passar a ser articulado como uma vogal simples. No entanto, em certos registos mais populares, o antigo ditongo pronuncia-se como ó aberto, em posição pré-tónica: "róbar", "tórada", "sóbeste". Do mesmo modo, no discurso mais informal do Centro e do Sul, acontece que a conjunção ou soa como ó, confirmando-se assim a descrição do consulente. Porém, é de sublinhar que se trata de uma pronúncia não aceite pelos normativistas, que preferem o ó fechado ("rôbar", "tôrada", "sôbeste", "dois ô três").

Note-se que se escreve prà e prò, que, respectivamente, são contracções de para a e para o. Estas contracções não pressupõem o ditongo [ow]/[ɐw].

Carlos Rocha
Tema: Uso e norma
Campos Linguísticos: Pronúncia; Fenómenos fonéticos