«Preciso de estudar» e «preciso estudar» - Ciberdúvidas da Língua Portuguesa
Este é um serviço gracioso e sem fins comerciais, de esclarecimento, informação e debate sobre a língua portuguesa, o idioma oficial de Angola, Brasil, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Moçambique, Portugal, São Tomé e Príncipe e Timor-Leste. Sem outros apoios senão a generosidade dos seus consulentes, ajude-nos a dar-lhe continuidade: Pela viabilização do Ciberdúvidas. Os nossos agradecimentos antecipados.
«Preciso de estudar» e «preciso estudar»

Uma propaganda de uma rede educativa, que traz de vez em quando questões relacionadas à língua portuguesa aqui no Brasil, disse que a norma culta não considera correto o uso de «Eu vou precisar de fazer as questões»; o problema apontado por esse programa é a presença da preposição antes do verbo no infinitivo, mas, buscando respostas no Ciberdúvidas, vi que ambas as formas estão adequadas à norma culta, ou seja, «Eu vou precisar de fazer» ou «Eu vou precisar fazer», ambas estão corretas segundo vocês, mas não segundo o programa daqui do Brasil. Afinal, existe alguma referência, algum gramático que acabe com a minha dúvida se ambas as formas podem estar corretas, ou só uma delas, como disse o programa?

Muito obrigado.

Fernando Pestana Estudante Rio de Janeiro, Brasil 11K

«Na actual norma portuguesa da língua, este verbo, quando na acepção de "ter necessidade de", pede objecto indirecto*; há, porém, bom número de abonações de autores portugueses clássicos, como Camilo e Bocage, que o empregam com transitividade directa**; na verdade, na língua, a regência deste verbo oscila entre uma coisa e outra, com peso maior para o objecto indirecto, tanto no Brasil como em Portugal, excepto quando a ele se segue outro verbo no infinitivo, caso em que, em Portugal, se usa sempre seguido de preposição (preciso de fazer, precisava de sair, precisou de se explicar), enquanto, no Brasil, tal emprego tem vindo a rarear (preciso fazer, precisava sair, precisou explicar-se).»1

O facto de um dado uso ser menos frequente não quer dizer que passe a ser classificado como uso incorrecto.

Acresce que há atestações de precisar de + infinitivo em autores brasileiros da segunda metade do século XX:

«Delfino precisava de ser prudente.» António Callado — A Madona de Cedro, 1957.

«— Eu precisava de ter uma lembrança dela»; «Este precisava de feri-lo, vingar a história dos bois.» Osman Lins — O Fiel e a Pedra, 1961.

«Ruth notou que a bata branca de Antonio mudara de cor, precisava de ser lavada.» Antonio Olinto — Sangue na Floresta, 1993.

*com recurso à preposição

**sem recurso à preposição

1 Dicionário Houaiss da Língua Portuguesa, Lisboa, Tema e Debates, 2003

Ana Martins
Tema: Uso e norma Classe de Palavras: verbo
Áreas Linguísticas: Léxico; Sintaxe