Maiúsculas em cargos e órgãos específicos - Ciberdúvidas da Língua Portuguesa
Este é um serviço gracioso e sem fins comerciais, de esclarecimento, informação e debate sobre a língua portuguesa, o idioma oficial de Angola, Brasil, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Moçambique, Portugal, São Tomé e Príncipe e Timor-Leste. Sem outros apoios senão a generosidade dos seus consulentes, ajude-nos a dar-lhe continuidade: Pela viabilização do Ciberdúvidas. Os nossos agradecimentos antecipados.
Maiúsculas em cargos e órgãos específicos

Trabalho numa instituição de ensino superior e tenho algumas dúvidas relativamente ao uso de maiúsculas em cargos e órgãos específicos da instituição.

I – Cargos
Por exemplo, quando me refiro, num regulamento interno, ao coordenador de curso, faço-o sempre utilizando a maiúscula para as duas palavras. No entanto, li numa resposta anterior que os substantivos "senador", "professor", "director" entre outros, se escreviam com minúsculas. É incorrecto escrever "Coordenador de Curso" ou "Director de Departamento", no âmbito de um regulamento interno?

II – Órgãos específicos
Como, por exemplo, a expressão "Comissão de Estágios" ou "Júri de Avaliação" está correcta ou deveria ser escrita em minúsculas?

Antecipadamente grata.

Elisabete Cunha Portugal 12K

Por norma, tal como leu nessa resposta anterior, os cargos não requerem o emprego de maiúscula inicial. Ninguém escreve «Sou Limpa-Chaminés», por exemplo. E não há nisto qualquer falta de respeito por essa profissão, também ninguém escreve «Fui ao Médico».

Porém, como as pessoas são educadas, amáveis e atenciosas, e às vezes sentem necessidade de demonstrar deferência, podem presentear o detentor do cargo com a maiúscula, que normalmente está reservada para as coisas “importantes”. Acontece o mesmo quando começamos uma carta por «Excelentíssimo Senhor...». Os jornais, por exemplo, costumam reservar essa deferência apenas para o presidente da República e para o papa (eu escrevi em minúsculas de propósito, porque entendo que um papa não me merece mais respeito que um médico, que um bombeiro ou que uma vendedeira de hortaliça), nem o primeiro-ministro costuma ter direito a maiúsculas.

Assim, saiba que não há nenhuma norma geral que a aconselhe a usar maiúsculas na grafia de um cargo. Pode haver, sim, uma “norma interna”, determinada, por exemplo, por um livro de estilo.

E pode haver outra “norma interna”, na sua cabeça, que é a simpatia, o respeito, a reverência que o detentor do cargo lhe merece ou deve merecer, ou o destaque que lhe queira dar.

Quanto aos órgãos específicos, como lhes chama, já é costume usar-se as maiúsculas. Mas têm de ser específicos. Por exemplo: «o ministro trabalha no ministério», mas o «ministro da Saúde trabalha no Ministério da Saúde». Comissão de Estágios ou Júri de Avaliação, apesar de designações um pouco genéricas, aceitam-se bem, especialmente no âmbito de um regulamento interno.

Rui Gouveia
Campos Linguísticos: Maiúsculas/minúsculas