Egipto e Egito, novamente - Ciberdúvidas da Língua Portuguesa
Este é um serviço gracioso e sem fins comerciais, de esclarecimento, informação e debate sobre a língua portuguesa, o idioma oficial de Angola, Brasil, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Moçambique, Portugal, São Tomé e Príncipe e Timor-Leste. Sem outros apoios senão a generosidade dos seus consulentes, ajude-nos a dar-lhe continuidade: Pela viabilização do Ciberdúvidas. Os nossos agradecimentos antecipados.
Egipto e Egito, novamente

Sei que não é a primeira vez que esta dúvida é exposta, mas, perante o que li aqui e noutros sítios, gostaria de ver esclarecido o seguinte: Se em Portugal a maioria das pessoas pronuncia "Egipto" (digo a maioria porque tenho perguntado às pessoas com quem me cruzo como pronunciam a palavra), por que razão nos pedem para escrever "Egito"? Tive oportunidade de ter uma cadeira de Introdução à Linguística, matéria que sempre me apaixonou, e não me faz qualquer sentido que seja a escrita a influenciar uma língua, quando é o contrário que tem vindo a acontecer desde que os povos começaram a comunicar. Ainda acreditei que se tratasse de uma má interpretação do Acordo Ortográfico, como acontece frequentemente com a palavra facto ou contacto, mas pelos vistos não é o caso. Não sou purista da língua e concordo com muitas das novas regras. Esta choca-me.

Obrigada pelos vossos esclarecimentos, que são sempre muito úteis, e por continuarem a defender este nosso património.

Ana Cristina Amante Técnica de conteúdos Lisboa, Portugal 11K

Embora atualmente muitos falantes pronunciem "Egipto", com o segmento [p] claramente articulado, a verdade é que se tem considerado correta a pronúncia sem esse segmento, a qual, aliás, se encontra registada por António Emiliano em Fonética do Português Europeu: Descrição e Transcrição (Guimarães Editores, 2009, pág. 92). Refira-se ainda que, muito antes do atual acordo, as Bases Analíticas do Acordo de 1945 indicavam Egipto como um caso em que a letra p era muda (Base IV):

«Conservam-se quando, sendo embora mudos, ocorrem em formas que devem harmonizar-se graficamente com formas afins em que um c ou um p se mantêm, de acordo com um dos dois números anteriores, ou em que essas consoantes estão contidas, respectivamente, num x ou numa sequência ps. Escreve-se, por isso: [...] Egipto, como egípcio; [...]»

Desta passagem, depreende-se que, há quase 70 anos, se considerava que Egipto se pronunciava "Egito", embora se escrevesse com p mudo para estar em sintonia com egípcio.

Estes dados sugerem, portanto, que a pronúncia com p ou surgiu depois dos anos 40 do século passado ou já existia como variante não sancionada pela norma. É possível que o aparecimento desta variante tenha sido suscitado pela ortografia, porque nas sociedades modernas a aprendizagem da escrita e da leitura motiva certas soluções fónicas por parte dos falantes menos familiarizados com a pronúncia culta tradicional.

 

N.E. – Com o Acordo Ortográfico de 1990, Egito passou a escrever-se sem o p intercalar.  Pela seguinte regra estipulada na sua Base IV (Das sequências consonânticas) – e conforme  a b) do ponto 1:  «Eliminam-se [as sequências interiores cc (segundo c com valor de sibilante), cç ct, e o p das sequências interiores pc (com valor de sibilante)] ,nos casos em que são invariavelmente mudos nas pronúncias cultas da língua: ação, acionar, afetivo, aflição, aflito, ato, coleção, coletivo, direção, diretor, exato, objeção; adoção, adotar, batizar, Egito, ótimo.» O mesmo critério fonético justifica a manutenção do  p em egípcio porque se pronuncia

 

CfSegundo o Acordo, como se escreve Egipto?

Carlos Rocha
Tema: Uso e norma Classe de Palavras: nome próprio
Áreas Linguísticas: Fonética; Ortografia/Pontuação