Este é um serviço gracioso e sem fins comerciais, de esclarecimento, informação e debate sobre a língua portuguesa, o idioma oficial de Angola, Brasil, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Moçambique, Portugal, São Tomé e Príncipe e Timor-Leste. Sem outros apoios senão a generosidade dos seus consulentes, ajude-nos a dar-lhe continuidade: Pela viabilização do Ciberdúvidas. Os nossos agradecimentos antecipados.
«De cogulo», «de cagulo» = «cheio»

Desde criança que ouvi uma expressão relativa ao enchimento em demasia ou no limite de uma colher, por exemplo – juntar uma «colher de cagulo». "Googlando" o termo "cagulo" obtêm-se alguns resultados que referem a existência desta terminologia. Contudo, no dicionário online da Porto Editora – Infopédia –, só existe o termo cogulo com o significado que acima refiro. A utilização do termo "cagulo" é ou não correcta?

Obrigado.

Luis Matias Covilhã, Portugal 196

A expressão que os dicionários gerais e os vocabulários ortográficos registam é cogulo, que é a forma correta, no contexto da norma-padrão. Contudo, em estudos sobre os dialetos portugueses, também se regista a variante cagulo, própria da linguagem popular e eventualmente aproveitável no discurso literário de cariz regionalista.

O dicionário da Academia das Ciências de Lisboa consigna cogulo com três significados, associando-lhe ainda uma locução adverbial:

«1. Porção de cereais, legumes secos ou outros géneros que excede as bordas de uma medida. 2. Antiga medida quadrada, correspondente a um alqueire cheio acima dos bordos ou acogulado. 3. O que está em demasia ≃ EXCESSO. de cogulo, loc. adv. , em demasia, em excesso; acima da medida. Encheu a medida de cogulo

No artigo respeitante a cogulo, o Dicionário da Língua Portuguesa da Porto Editora (disponível na Infopédia) inclui a locução «com cogulo», que tem o mesmo significado que «de cogulo» e parece ser desta variante.

Já a forma cagulo é uma variante popular que conhece registo dicionarístico menos frequente – por exemplo, na 10.ª edição do Novo Dicionário Compacto da Língua Portuguesa, atribuído a António Morais da Silva e na 2.ª edição (1913) do Novo Dicionário da Língua Portuguesa de Cândido de Figueiredo (que diz ter recolhido na Guarda e ser sinónimo de cogulo). O seu uso regional é evidenciado na Revista Lusitana, nos volumes IX (1906, pág. 167) e XXVIII (1930, pág. 226).

É de referir que o Dicionário Houaiss da Língua Portuguesa regista outras variantes de cogulo, menos a aqui discutida: caculo, coculo, cuculo e o derivado acoguladura, seu sinónimo. Segundo esta fonte, cogulo tem origem no latim cucūlla, ae ou cucūllus, i «capa, capote, capuz; envoltório de papel, papelico, cartucho de papel», donde também se formou cogular e acogular, «encher até (quase) transbordar». O mesmo dicionário observa ainda: «[..] entre derivações vulgares e cultas, registram-se, modernamente, acogulado, acogulador, acoguladura, acogular, bem como, por restauração culta, acuculado, acuculador, acuculadura, acucular, ademais de coculado, coculante, cocular, coculo, cogula, cogulado, cogular, cogulhado, cogulho, cogulo, cucula, cuculado, cuculante, cucular 'cogular', cuculéia, cucúlia, cuculífero, cuculifólio, cuculiforme 'cuculado', cucúleo, cucúlida, cuculo 'capuz'».

Carlos Rocha
Tema: Variedades linguísticas Classe de Palavras: substantivo
Áreas Linguísticas: Etimologia; Léxico; Semântica Campos Linguísticos: Atestação/Significado de palavras