A vírgula e as orações relativas explicativas - Ciberdúvidas da Língua Portuguesa
Este é um serviço gracioso e sem fins comerciais, de esclarecimento, informação e debate sobre a língua portuguesa, o idioma oficial de Angola, Brasil, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Moçambique, Portugal, São Tomé e Príncipe e Timor-Leste. Sem outros apoios senão a generosidade dos seus consulentes, ajude-nos a dar-lhe continuidade: Pela viabilização do Ciberdúvidas. Os nossos agradecimentos antecipados.
A vírgula e as orações relativas explicativas

Gostaria de saber se na frase abaixo é necessário que a palavra Marx esteja entre vírgulas ou se está correta a forma como foi empregada:

«Nessa cidade, Marx até então acostumado com a dinâmica provinciana de sua terra natal, toma contato com o cosmopolitismo.»

Se puderem me explicar qual a regra para esse caso, agradeço muito.

Manuela Mesquita Jornalista São Paulo, Brasil 3K

Sobre o uso da vírgula, o Prontuário Ortográfico e Guia da Língua Portuguesa de Magnus Bergström e Neves Reis refere que esta marca de pontuação é usada, entre outros contextos, «para isolar orações relativas explicativas e apositivas». Uma característica das orações relativas é a possibilidade de serem retiradas sem que a frase principal se torne agramatical (incorreta), embora haja sempre uma alteração ou redução do sentido.

No caso da frase apresentada, se retirássemos a oração relativa, ficaríamos com a seguinte forma: «Nessa cidade, Marx toma contato com o cosmopolitismo.» Assim, se mantivermos a oração relativa explicativa, devemos escrever: «Nessa cidade, Marx, até então acostumado com a dinâmica provinciana de sua terra natal, toma contato com o cosmopolitismo.»

Miguel Moiteiro Marques