A enumeração num texto do Padre António Vieira - Ciberdúvidas da Língua Portuguesa
A enumeração num texto do Padre António Vieira

No último teste de português, fiquei com dúvidas quanto ao recurso expressivo presente na frase «Não o levam os coches, nem as liteiras, nem os cavalos, nem os escudeiros, nem os pajens, nem os lacaios, nem as tapeçarias, nem as pinturas, nem as baixelas, nem as joias».

Será que se trata de uma enumeração apenas ou também encontramos uma gradação?

Teresa Azeitona Estudante Porto, Portugal 190

A citação apresentada pela consulente pertence ao Sermão de Santo António, de Padre António Vieira.

Neste excerto, o autor faz uso de uma enumeração, através da qual apresenta os bens nos quais os homens do Maranhão não gastam o seu dinheiro (preferindo endividar-se comprando os retalhos de pano que vestem). A enumeração consiste na apresentação de um inventário de coisas relacionadas entre si1. Neste caso, o autor enumera todos os bens nos quais os homens poderiam gastar o seu dinheiro, para, por contraste, mostrar como o dinheiro é desperdiçado nos panos que por vaidade compram.

Não se trata de uma gradação, uma vez que este recurso expressivo, que é um tipo específico de enumeração, se caracteriza por apresentar uma série de elementos numa ordem ascendente ou descente, o que neste caso não se verifica2. Podemos assinalar um uso de gradação no mesmo texto de Padre António Vieira, quando, no capítulo 5, se faz a descrição do polvo:

(1) «[…] um monstro tão dissimulado, tão fingido, tão astuto, tão enganoso e tão conhecidamente traidor!»

Disponha sempre!

 

1. Cf. E-dicionário de Termos Literários, coordenado por Carlos Ceia, verbete enumeração

2. Cf. noção de gradação em E-dicionário de Termos Literários, coordenado por Carlos Ceia, verbete gradação. Não me parece clara a existência de gradação nesta frase, porque o autor não apresenta uma enumeração orientada para o clímax (ou anticlímax). Ou seja, desde «os coches» até a «as jóias», não creio que se construa uma enumeração crescente, no âmbito semântico do luxo. Na forma como concebo o mundo, no campo semântico do luxo, os coches não constituem o início de uma gradação, e as joias o seu aspeto mais intenso. Até porque um coche pode ser bem mais dispendioso do que uma baixela ou uma joia. Mesmo dentro de cada núcleo (meios de transporte < criados < objetos de valor) me parece difícil  assinalar uma gradação (neste caso, teríamos três gradações), porque não vejo uma enumeração ascendente entre coche e cavalo, ou entre tapeçarias e jóias. Creio que se pode considerar uma gradação descente entre «escudeiro» e «lacaio», mas como este processo retórico não é comum aos outros grupos não me parece que seja pertinente. Neste excerto, vejo, sim, a mobilização de um outro artefacto retórico de que Padre António Vieira também faz frequentemente uso: a amplificação, que consiste no desenvolvimento de uma ideia, destacando cada uma dos elementos enumerados como uma forma de aumentar/vincar/destacar e, logo, provar a ideia apresentada (cf. "Amplificação", E-Dicionário de Termos Literários ).

Carla Marques
Áreas Linguísticas: Estudos Literários