A definição de numeral - Ciberdúvidas da Língua Portuguesa
Este é um serviço gracioso e sem fins comerciais, de esclarecimento, informação e debate sobre a língua portuguesa, o idioma oficial de Angola, Brasil, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Moçambique, Portugal, São Tomé e Príncipe e Timor-Leste. Sem outros apoios senão a generosidade dos seus consulentes, ajude-nos a dar-lhe continuidade: Pela viabilização do Ciberdúvidas. Os nossos agradecimentos antecipados.
A definição de numeral

Qual a definição do numeral a partir dos critérios morfológico, semântico e sintático e qual o seu funcionamento?

Iara Oliveira Professora Jacobina, Brasil 7K

A pergunta que faz toca várias dimensões do uso dos numerais, pelo que na resposta que se segue encontrará apenas breves indicações que poderá aprofundar na obra aqui referenciada. Assim, na Gramática de Usos do Português (São Paulo, Editora Unesp, 2000, pág. 587-602), Maria Helena de Moura Neves explica o seguinte:

1. Do ponto de vista semântico, os numerais são quantificadores que operam uma determinação definida, numérica.

2. Do ponto de vista morfológico e sintáctico, ou melhor, morfossintáctico, porque se trata das classes de palavras abrangidas por esta categoria, verifica-se que «há subclasses de numerais, e a determinação numérica tem diferente natureza em conformidade com a subclasse». Por outras palavras, os diferentes tipos de numeral (cardinal, ordinal, multiplicativo e fraccionário) têm diferentes formas:

a) os cardinais são geralmente invariáveis, mas alguns flexionam-se em género (um/uma, dois/duas) ou número (milhar/milhares, milhão/milhões, bilhão/bilhões, trilhão/trilhões, etc.); além disso podem ser simples (um, dois, três, dez, vinte, etc.), coordenados (cento e cinquenta e cinco) e justapostos (oitocentos, oito mil);

b) os ordinais são adjectivos, variando em género e número («o primeiro a chegar»/«a primeira a chegar»; «primeiro lugar»/«primeira posição»);

c) os multiplicativos podem ser ou substantivos («o dobro dessa idade»), e são invariáveis, ou adjectivos («o duplo sentido da frase»), e são variáveis («os duplos sentidos»);

d) são quase todos substantivos (metade, um terço, um décimo, etc.) — só meio é que pode ser adjectivo além de substantivo («meio litro» vs. «um meio») — e, como a maior parte tem a mesma forma que os cardinais (só metade, meio e terço têm forma própria), flexionam em número.

3. Do ponto de vista sintáctico, são:

a) núcleo de sintagma, se forem substantivos ou se puderem ser usados sem substantivo expresso: «o segundo»; «o valor ganho é o triplo do despendido»;

b) adjuntos [isto é, modificadores ou em posição adjectival]: «dois classificados», «o segundo classificado», «portas duplas», «meio litro».

Carlos Rocha