«... belas árvores simétricas que... se via serem simples groselheiras» - Ciberdúvidas da Língua Portuguesa
Este é um serviço gracioso e sem fins comerciais, de esclarecimento, informação e debate sobre a língua portuguesa, o idioma oficial de Angola, Brasil, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Moçambique, Portugal, São Tomé e Príncipe e Timor-Leste. Sem outros apoios senão a generosidade dos seus consulentes, ajude-nos a dar-lhe continuidade: Pela viabilização do Ciberdúvidas. Os nossos agradecimentos antecipados.
«... belas árvores simétricas que...
se via serem simples groselheiras»

«Havia belas árvores simétricas, de troncos eretos como os das palmeiras, que a um exame mais atento se via serem simples groselheiras.»

Como analisar sintaticamente as orações do período acima? Especialmente gostaria de saber como se classificaria a oração «se via», considerando que a conjunção que exerce a função de sujeito da oração «serem simples».

Agradeço antecipadamente.

Fernando Bueno Engenheiro Belo Horizonte, Brasil 42

A frase apresentada é composta pelas seguintes orações:

− «Havia belas árvores simétricas, de troncos eretos como os das palmeiras»: oração subordinante;

− «que a um exame mais atento se via»: oração subordinada adjetiva relativa com valor explicativo;

− «serem simples groselheiras1»: oração subordinada substantiva infinitiva.

A palavra que é um pronome relativo que introduz a oração relativa e que tem como antecedente o grupo nominal «belas árvores simétricas, de troncos eretos como os das palmeiras». Do ponto de vista da semântica da frase, que tem o papel temático de sujeito de serem, numa construção com o sentido de:

(1) «Via-se as árvores serem groselheiras = Via-se que as árvores eram groselheiras.»

O facto de o verbo se encontrar flexionado na 3.ª pessoa do plural é sinal de concordância com o pronome que, o qual retoma um grupo nominal plural, como se viu. 

Acrescente-se, ainda, que, por meio de uma construção de elevação2que foi elevado à condição de complemento direto do verbo via-se. 

Disponha sempre! 

1. Note-se que esta oração faz parte integrante da oração relativa anterior. Só por uma questão de clareza de análise não se transcreve duas vezes a mesma oração. 

2. Construção de elevação é aquela na qual «o sujeito ou o complemento direto da oração subordinante corresponde, do ponto de vista semântico, ao sujeito da oração subordinada» (Raposo et al., Gramática do Português. Fundação Calouste Gulbenkian, p. 1949)

Carla Marques
Classe de Palavras: pronome
Áreas Linguísticas: Semântica; Sintaxe Campos Linguísticos: Orações