Início Respostas Consultório Campo linguístico: Modificação
José Monteiro Gestor Lisboa, Portugal 407

Qual a forma correta: «água do mar» ou «água de mar»?

Jorge Nunes Redator Lisboa, Portugal 6K

Sei que o Acordo Ortográfico determina que os elementos de composição por prefixação, como mini-, super- ou hiper-, devem unir-se ao segundo elemento sem hífen, salvo nas exceções previstas.

No entanto, segundo vários dicionários, esses mesmos elementos podem ter a função de adjetivos, passando a ser grafados com acento e separados do substantivo que precedem, como por exemplo míni ou súper.

O que distingue ambas as utilizações? No primeiro caso não funcionam também por vezes como adjetivos? Será legítimo escrever tanto "superestilo" como «súper estilo»? "Minibola" e "míni bola"? E porque não «super sónico» e «mini bola» (sem acento)? Ou teria de ser «estilo súper/super» ou «bola míni/mini»?

Agradeço desde já a vossa ajuda e felicito-vos pelo vosso excelente trabalho.

Ana Maria Dias Professora Castelo Branco, Portugal 2K

As palavras minimercado, tripé, bimotor e pós-graduação como se classificam quanto ao seu processo de formação? São derivadas por prefixação, ou formadas por composição morfológica?

Xianru Ma Professora Changchun, China 8K

«Quando comecei a trabalhar há 20 anos, não sabia o quanto ia gostar da minha profissão.»

Nesta frase, que significa «o quanto»?

Muito obrigada

Isabel Correia Empregada Tomar, Portugal 5K

Gostaria de saber se a palavra insapiência está correcta, se pode ser aplicada.

Muito obrigada pela atenção.

Francisco Damas Técnico químico Lisboa, Portugal 1K

Estamos a escrever um procedimento de trabalho. Neste indicamos que, se acontecer a «situação X», procedemos à "interdição" de um certo equipamento. Após resolução da «situação X», deveremos proceder à "desinterdição" do equipamento. É no termo que significa o oposto de interdição que nos surgem dúvidas, porque não é uma palavra habitualmente ouvida/escrita/lida...

A palavra "desinterdição" como oposto de interdição existe? Pela lógica parece-me que sim, à semelhança de outras (ligar/desligar, coser/descoser, montar/desmontar, etc.).

Para já e para resolver provisoriamente esta questão (e arranjar um consenso na equipa) resolvermos substituir "desinterdição" por reactivação, embora ninguém tivesse ficado particularmente feliz com esta substituição porque não exprime bem o que pretendíamos.

Agradeço o vosso esclarecimento.

Carolina Macedo Estudante Braga, Portugal 6K

[...] [T]enho um outro comentário a fazer [sobre a forma engripar]: [...] à forma "gripar" (com remissão no Houaiss a "grimpar") corresponde o étimo francês "gripper" (na acepção de mecânica), no entanto, o mesmo, bem como outros dicionários — o Priberam, por exemplo — apresentam o verbo gripar como produto de uma formação portuguesa (mesmo se a palavra primitiva tenha entrado na língua portuguesa através de um empréstimo ao francês grippe, atestado em português desde 1881), sendo constituído por gripe+ar, um derivado sufixal, portanto é homónimo do primeiro (por isso mesmo têm direito a entradas diferentes). A forma gripar na acepção de «provocar ou ficar com gripe» é atestada pelo menos desde 1942 e o seu particípio, grippado (sic), desde 1928, como nos informa o Houaiss.

Quanto a engripar, foi-lhe acrescentado o prefixo en- à forma já existente gripar (de gripe+ar e não de gripper), sendo por isso decomposto em: en-+ a base gripe +sufixo -ar, tendo, então todas as características para ser um derivado parassintético, embora me custe a compreender, pelas razões já anteriormente expostas e que conto com a vossa magistral ajuda para a sua resolução.

Ainda a propósito deste tema, teria uma outra pergunta (de resposta bem mais fácil, segundo creio).

Na vossa primeira explicação à minha questão, que remetia então a engripado, foi-me dito que este era "apenas" o particípio passado de engripar, e que engripar, esse sim, teria sido formado parassinteticamente. Mas, seguindo essa lógica de raciocínio, deveríamos responder também que engripar é o infinitivo impessoal. Ambos têm a marca da desinência do tempo verbal a que pertencem: engripado- ado, do lat.-atu, engripar - ar, do lat -are, forma do infinitivo dos verbos da primeira conjugação.

Por último gostava de vos pedir um conselho para uma obra de referência acerca das regências verbais e nominais que não fosse uma gramática.

Um grande bem-haja a toda a vossa equipa por todo o excelente trabalho que tem vindo a realizar.

Carolina Macedo Estudante Braga, Portugal 1K

A palavra engripado é um derivado prefixal, ou um derivado parassintético?

Obrigada.

Marisa Fontinha Administrativa e estudante de Linguística Carregado, Portugal 6K

Deparei-me com várias palavras como "para-teatral" e "para-litúrgica".

No entanto, não consegui encontrar a sua definição, compreendi que o facto de acrescentar o "para" altera a palavra seguinte, mas não sei a que nível.

O que significa o "para" antes das palavras?

Edmundo Gomes de Azevedo Professor universitário Lisboa, Portugal 5K

Em termos técnicos, usamos frequentemente os conceitos de um aquecimento excessivo da água (na forma de vapor) e de um arrefecimento (de água líquida) também excessivo.

No 1.º caso, o vapor de água está mais quente do que a temperatura de saturação — dizemos que está "sobreaquecido" (ou "superaquecido", como também li aqui no Ciberdúvidas).

Porém, a minha dúvida prende-se com o 2.º caso — a água (líquida) está mais fria do que a temperatura de saturação. Devemos dizer "sobrearrefecido", ou "subarrefecido"? O que aconselham?

Muito obrigado!