Margarita Correia - Ciberdúvidas da Língua Portuguesa
Margarita Correia
Margarita Correia
42K

Margarita Correia, professora  auxiliar da Faculdade de Letras de Lisboa e investigadora do ILTEC-CELGA. Coordenadora do Portal da Língua Portuguesa. Entre outras obras, publicou Os Dicionários Portugueses (Lisboa, Caminho, 2009) e, em coautoria, Inovação Lexical em Português (Lisboa, Colibri, 2005) e Neologia do Português (São Paulo, 2010). Mais informação aqui. Presidente do Conselho Científico do Instituto Internacional da Língua Portuguesa (IILP) desde 10 de maio de 2018.

 
Textos publicados pela autora
Neutralidade e política linguística
O caso finlandês

«A política linguística [da Finlândia] reflete a neutralidade geral: favorece o multilinguismo e o respeito pela língua materna de cada um, incluindo das comunidades imigrantes, cujas crianças têm o ensino da sua língua materna, como língua de herança, assegurado pelo sistema público» – assinala a linguista e professora univesitária portuguesa  Margarita Correia, em crónica publicada no Diário de Notícias de 11 de julho de 2022, a respeito da contextualização histórica da política linguística atualmente adotada pela Finlândia.

Da literatura à política linguística
Divagações de uma linguista que gosta de ler

A releitura de O Louco do Czar, do escritor estónio Jaan Kross (1920-2007), suscitou uma  "viagem"* à história linguística deste país báltico, 16.ª República Socialista e Soviética até 1991 e, desde 2004, membro da União Europeia e da OTAN

 Crónica da linguista e  professora universitária portuguesa Margarita Correia, publicada no jornal Diário de Notícias, de 5 de julho de 2022.

Churban, Holocausto e Shoah, ou da difícil nomeação

«Em França, Israel e entre a comunidade hebraica, prefere-se a palavra Shoah, do hebreu bíblico, significando catástrofe; este é também o termo preferido por quantos querem sublinhar a experiência judaica, ou se sentem pouco confortáveis com as conotações de Holocausto: Shoah enfatiza a aniquilação dos judeus, excluindo as restantes vítimas de assassínio em massa.»

Crónica da linguista Margarita Correia publicada no Diário de Notícias em 27 de junho de 2022, na qual é comentada a história das palavras churban («destruiçao»), holocausto e shoah («catástrofe») como formas de designar o extermínio de seis milhões de judeus perpetrado pelo regime nazi na Alemanha e noutros países da Europa central e oriental durante a Segunda Guerra Mundial.

Dos nomes científicos e correntes das doenças
A propósito do termo «varíola dos macacos»

«As doenças têm um nome científico, criado pelos especialistas e muitas vezes acompanhado de uma forma abreviada, que se baseia geralmente na sua etiologia (causa); a par desse nome científico, as comunidades linguísticas criam quase sempre um ou mais nomes correntes, motivados pelos seus sintomas, sinais e outras características apreensíveis a olho nu [...].»

Crónica da linguista Margarita Correia publicada no Diário de Notícias em 20 de junho de 2022, na qual se explica a formação dos nomes científicos das doenças, se comenta o uso destes a par das denominações populares e se critica a preferência pelo termo inglês Monkeypox, a propósito dos surtos de varíola dos macacos em Portugal e noutros países.

 

Chéquia e o sururu toponímico da atualidade
Uma forma legítima em processo de integração

«"Chéquia" é uma forma nova, mas legítima, em processo de integração» – afirma a linguista Margarita Correia, em crónica publicada no Diário de Notícias, em 13 de junho de 2022, a respeito da perplexidade («um sururu») que a forma curta do nome da República Checa – Chéquia – tem suscitado em Portugal, na sequência do jogo disputado em 9 de junho de 2022 entre os dois países a contar para a Liga das Nações da UEFA-2022/23.