E o humor foi também em inglês? - Pelourinho - Ciberdúvidas da Língua Portuguesa
Este é um serviço gracioso e sem fins comerciais, de esclarecimento, informação e debate sobre a língua portuguesa, o idioma oficial de Angola, Brasil, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Moçambique, Portugal, São Tomé e Príncipe e Timor-Leste. Sem outros apoios senão a generosidade dos seus consulentes, ajude-nos a dar-lhe continuidade: Pela viabilização do Ciberdúvidas. Os nossos agradecimentos antecipados.
Início Português na 1.ª pessoa Pelourinho Artigo
E o humor foi também em inglês?
E o humor foi também em inglês?

«Em Alcântara, dividido entre a LX Factory e o Village Underground, acontece nesta sexta-feira e sábado mais uma edição do Famous Fest. Este ano, com um programa que procura dar-nos mais do que sessões de humor.

(...)

O Famous Humour Fest perdeu este ano o Humour no nome, mas não o humor na programação. Continua a ser um festival onde o riso é primordial, mas à edição não se fica apenas pelos espectáculos e sessões de humor para nos dar também concertos ou exposições. Wasted Rita, por exemplo, a portuguesa que Banksy veio buscar para a sua Dismaland, terá toda uma parede do Village Underground para as suas frases cáusticas. Ao lado, na vizinha LX Factory, acontecem sessões como uma conversa entre Ricardo Araújo Pereira e António Tabet, da Porta dos Fundos, ou a transposição para o palco do podcasts de Bruno Nogueira, Filipe Melo e Nuno Markl, Uma Nêspera no Cu. (...)»

[in Público de 25/08/2015]

 

 

É a duvida que resta: e o humor foi também em inglês?

Já agora: alguém imagina um evento, musical ou de qualquer outra natureza, apresentado assim em qualquer outro país de língua oficial portuguesa?

 

P.S. – Em Portugal, está visto, não é só no humor que o inglês faz de língua veicular. Meia dúzia de casos de absoluto descoco tropeçados ao acaso: cabeleireiras que ficaram mais chiques se tratadas como HairStylists; empresas de contabilidade pavoneadas de... Financial Services; uma estação do Metro de Lisboa batizada de PT Blue Station; uma Lisbon Big Apps pela mão da própria câmara da capital portuguesa; cursos pró-«prosperidade, abundância e felicidade» (!!), ainda por cima pós-laborais, publicitados como My Soul Project; um Portuguese Diabetes Leadership Forum; uma rádio nacional e outra de TV com programas para kids e sobre bikes, e sondagens low cost e tracking poll... Se até o principal clube português não encontrou melhor forma de homenagear o seu mais emblemático futebolista de sempre (ainda por cima elevado a figura com direito a Panteão Nacional), com uma denominada Eusébio Cup!... E o que dizer de jornais portugueses (com leitores portugueses, ou não?) com secções e títulos frequentes em inglês? Depois, é o habitual: nada de mais maléfico para a língua portuguesa do que o Acordo Ortográfico.

Sobre o autor

Jornalista português, cofundador (com João Carreira Bom) e responsável editorial do Ciberdúvidas da Língua Portuguesa. Autor do programa televisivo Cuidado com a Língua!, cuja primeira série se encontra recolhida em livro, em colaboração com a professora Maria Regina Rocha. Ver mais aqui.