Porquê Eusébio Cup? - Pelourinho - Ciberdúvidas da Língua Portuguesa
Este é um serviço gracioso e sem fins comerciais, de esclarecimento, informação e debate sobre a língua portuguesa, o idioma oficial de Angola, Brasil, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Moçambique, Portugal, São Tomé e Príncipe e Timor-Leste. Sem outros apoios senão a generosidade dos seus consulentes, ajude-nos a dar-lhe continuidade: Pela viabilização do Ciberdúvidas. Os nossos agradecimentos antecipados.
Início Português na 1.ª pessoa Pelourinho Artigo
Porquê Eusébio Cup?

O Benfica, o clube português com mais adeptos — adeptos portugueses, mas, provavelmente, também, com mais adeptos de outros países de expressão oficial portuguesa —, não encontrou melhor forma para homenagear o seu mais popular jogador de sempre, moçambicano de nascimento e português de nacionalidade, do que intitular o jogo (com o Inter de Milão) e o troféu atribuído ao vencedor de...  "Eusébio Cup".

Alguém imagina os italianos — que, por sinal, até integram na equipa vários portugueses, a começar pelo treinador José Mourinho1 —,  ou qualquer clube espanhol, francês ou brasileiro, darem o nome em inglês a uma qualquer homenagem ao Eusébio deles?

1 José Mourinho, que, na imprensa desportiva portuguesa, passou a ser nomeado, sempre, como o "special one",  desde que ele assim se autoproclamou, quando treinava o Chelsea. Chelsea, que, nesta mesma imprensa (portuguesa), são sempre os "blues", nunca os azuis. Ou os "red devils", no caso do Manchester United. Ou os "spurs", no caso do Tottenham. Ou os "blaugrana", no caso do Barcelona. Ou os "nerazzurri", quando se trata do Inter. E etc., e  etc., e etc. O prório Eusébio, que já teve o epíteto de "Rei" (dos goleadores), agora, chamam-no... "King". Só mesmo de quem não estima a sua própria língua!

Sobre o autor

Jornalista português, cofundador (com João Carreira Bom) e responsável editorial do Ciberdúvidas da Língua Portuguesa. Autor do programa televisivo Cuidado com a Língua!, cuja primeira série se encontra recolhida em livro, em colaboração com a professora Maria Regina Rocha. Ver mais aqui.