A saga dos erros cometidos na RTP - Pelourinho - Ciberdúvidas da Língua Portuguesa
Este é um serviço gracioso e sem fins comerciais, de esclarecimento, informação e debate sobre a língua portuguesa, o idioma oficial de Angola, Brasil, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Moçambique, Portugal, São Tomé e Príncipe e Timor-Leste. Sem outros apoios senão a generosidade dos seus consulentes, ajude-nos a dar-lhe continuidade: Pela viabilização do Ciberdúvidas. Os nossos agradecimentos antecipados.
Início Português na 1.ª pessoa Pelourinho Artigo
A saga dos erros cometidos na RTP
A saga dos erros cometidos na RTP
Com três propostas concretas do Provedor do Telespetador para a sua diminuição

O uso indevido de cedilhas (...voçês...), erros ortográficos (espetativa, albarroados, presional, recenceado…), redundâncias escusadas (... há anos atrás...), a confissão entre aterrar e alunar, a incorreção recorrente no emprego do bilião, do quadriplicar e dos particípios passados duplos, como o aceitado e o aceite, estiveram em foco no programa Voz do Cidadão, do Provedor do Telespetador da RTPJorge Wemans – emitido no dia 2 de fevereiro de 2019 e disponível aqui.

Os esclarecimentos ficaram a cargo da professora Sandra Duarte Tavares, com as recomendações tradicionais nestas circunstâncias: uma revisão atenta dos textos e a consulta rotineira de dicionários e prontuários. Já o responsável do programa adiantou três propostas para a diminuição  dos «múltiplos e demasiado frequentes» erros no uso da língua portuguesa nos diversos canais da televisão pública portuguesa:

1. O fim da «impunidade dos que erram»,  passando a ser chamados à atenção sempre que isso aconteça – com «soluções casuísticas para os reincidentes sistemáticos». 

2. A divulgação «entre todos os que escrevem e falam nos ecrãs da RTP uma curta síntese semanal das asneiras divulgadas e da forma correta que devia ter sido usada nesses casos.» 

3.  A obrigatoriedade do recurso ao corretor ortográfico para os que trabalham com o inserçor de caracteres e a «revisão por outros olhos de tudo o quanto aí se escreve.» 

                                                                                    Voz do Cidadão, 2/02/2019

Sobre o autor