O nosso idioma - Ciberdúvidas da Língua Portuguesa
 
Início Português na 1.ª pessoa O nosso idioma Uso e norma
Textos de investigação/reflexão sobre língua portuguesa.
Imagem de destaque do artigo
O desvio à norma como facto natural

O linguista brasileiro Aldo Bizzocchi explica a diferença entre erro e desvio como termos que relevam de conceções de língua divergentes, para discutir também as noções de norma, inovação, variação e mudança como dimensões da dinâmica social dos idiomas. Texto publicado no blogue do autor Diário de Um Linguista (20/11/2018).

Imagem de destaque do artigo
Paradoxos dos diminutivos

Uma palavra que inclua um sufixo de diminutivo – por exemplo, beijinho – será necessariamente incompatível com o adjetivo grande? O professor e tradutor  Marco Neves tem bons argumentos para achar que não e defender a legitimidade da expressão «um beijinho grande» neste apontamento publicado em 18/10/2018 no blogue Certas Palavras.

Imagem de destaque do artigo

Acentos tónicos, acentos gráficos, vogais abertas... São estes alguns dos aspetos focados pelo economista e professor universitário português António Bagão Félix num artigo saído no "Público" (6/09/2016), para dar conta de como certas formas de pronunciar e escrever antigamente recusadas pela norma estão a instalar-se como usos normais da língua.

Imagem de destaque do artigo

Siglas e acrónimos são palavras formadas pelas letras iniciais de várias palavras: RTP é uma sigla que representa Rádio e Televisão de Portugal, assim como PT é uma sigla formada pelas iniciais das palavras Portugal Telecom. De formação semelhante, os acrónimos apenas se distinguem das siglas por permitirem uma leitura silábica: se EDP é uma sigla, já REN é um acrónimo, uma vez que a constituição das letras de EDP nos obriga a uma leitura letra a letra, e REN nos permite uma leitura em sequência como qualquer palavra monossilábica. Unesco, ovni e sida são exemplos de acrónimos em português. Em consequência da sua formação a partir das letras iniciais de outras, quer se trate de siglas ou acrónimos, estas palavras  não variam em número, uma vez que o plural está já incluído na palavra da qual se considerou apenas a letra inicial. (...)

Imagem de destaque do artigo

Em Portugal, com as eleições legislativas no horizonte (em 4 de outubro de 2015), é manifesta a hesitação dos media na grafia de frente a frente, quando pretendem fazer referência aos debates televisivos a dois da campanha eleitoral. Convém, portanto, referir que, no quadro do Acordo Ortográfico da Língua Portuguesa (AO), a locução escreve-se sem hífen. Mais controverso é o respetivo plural.

Imagem de destaque do artigo

Crónica do jornalista Wilton Fonseca publicada no jornal i sobre a controversa expressão «à última da hora».

 

 

«À última hora» ou «à última da hora»? Durante anos revi prosas de jornalistas e sempre afirmei que a primeira locução era correcta e a segunda uma asneira. Há dias, uma conversa sobre o assunto, com o Appio Sottomayor, levou-me a consultar o Dicionário da Academia. E vi que as duas estão lá.

Os vários sentidos e expressões à volta da palavra festa nesta crónica da autora, respigada da revista 2 do jornal português Público de 29/12/2013.

 

[Festas]. Plural de festa e que se associa a esta época do ano, altura em que se assinala o nascimento de Jesus Cristo e a mudança de ano. «Boas-festas», diz o dicionário, corresponde a «felicitações que é hábito darem-se no Natal». Explicado de outro modo: «Exclamação usada por ocasião do Natal e do Ano Novo como saudação.»

Imagem de destaque do artigo

«O verbo haver assola-nos. Há crise. Não há dinheiro. Há impostos, taxas, Salazares fantasmagóricos a rasparem umas gamelas a que se chamava direitos adquiridos…». Texto do autor lido no Páginas de Português, da Antena 2, no dia 22 de dezembro de 2013.

Imagem de destaque do artigo

Assistindo à apresentação de um projeto, por uma professora universitária, surpreendi o uso da expressão: "mote de partida". A frase – cito de memória – era algo como: «aquilo foi o mote de partida para o arranque do projeto»… Ainda que porventura mais dissimulado, este é um novo exemplo de pleonasmo vicioso da mesma igualha de "<a href="/pelourinho.php?ri...

Há dias tive de usar a expressão meia-idade para, de forma irónica, me posicionar etariamente. Questionado sobre as balizas, e ao procurar precisar o conceito, deparo-me, nos dicionários que consultei, com o seguinte «consenso»:

• «Período da vida humana entre os 40 e os 50 anos, aproximadamente» (dicionário da Academia das Ciências de Lisboa);

• «Época da vida entre a maturidade e a velhice, aproximadamente entre os 40 e os 55 anos» (Houaiss)

• «A idade dos 30 aos 50 anos» (Priberam);