Início Português na 1.ª pessoa O nosso idioma Toponímia
Textos de investigação/reflexão sobre língua portuguesa.
Imagem de destaque do artigo

Alhadas, Azias, Carapinha, Cano, Cunheira, Colo de Pito, Deixa-o-resto, , Ponta Delgada e Vendas Novas completam esta segunda lista das localidades com os nomes mais bizarros em Portugal. Tal como o anterior trabalho, De Anais ao Purgatório. As terras mais originais do país, publicado no diário português i, no dia 25 de janeiro passado – e que a seguir se transcreve com a devida vénia – tem também a assinatura da jornalista Joana Marques Alves.

[in jornal i de 31 de janeiro de 2017]

Imagem de destaque do artigo

Aboim das Choças, Anais, Ancas, Cabeça Gorda, Carne Assada, Minhocal, Mioma, Nariz, Picha, Sarilhos Pequenos, Vale de Azares são alguns dos casos de toponímia insólita que pontuam o mapa de Portugal, do Minho ao Algarve, autênticos ex-líbris «que não lembram ao diabo» – como se descreve neste trabalho da jornalista Joana Marques Alves, publicado no diário português i de 25/01/2017, que a seguir se transcreve, com devida vénia.

Imagem de destaque do artigo

A delicadeza a língua – escreve o autor nesta crónica publicada no jornal brasileiro "Folha de S. Paulo" de 4/06/2016 «está nos nomes dos objetos, dos materiais, dos alimentos, das cidades e, principalmente, das ruas». É o caso de Lisboa.

Imagem de destaque do artigo

Em Portugal, como noutros países, os nomes de lugar – ou topónimos – apresentam formas e associações vocabulares inesperadas, muitas vezes à mercê de observações jocosas. Ao escritor português Miguel Esteves Cardoso também não escapou a hilariedade que, de forma mais ou menos direta, alguns casos da toponímia portuguesa podem suscitar. Sobre este tema, transcrevem-se algumas passagens do texto intitulado "Nomes da nossa terra" , o qual faz parte de uma das obras humorísticas do autor, Os Meus Problemas, publicada em 1988 (manteve-se a ortografia original).

Num tom leve, em jeito de história, José Saramago evoca as palavras primeiras que deram nome a Lisboa, conduzindo-nos ao passado longínquo anterior à chegada dos Romanos até ao topónimo por que é reconhecida nos nossos dias. 

 

 

Há mais de vinte anos que passo férias na parte antiga da vila de Alvor (Algarve, Portugal) e constato, em boa parte das ruas, a existência de duas toponímias. A mais recente e a mais antiga. Ambas presentes nos painéis de azulejo que identificam os nomes das ruas.

Deverá ou não empregar-se o artigo definido a preceder os nomes de localidades (cidades, vilas, povoações)? Vou apenas referir os nomes de localidades, e não os de continentes, países ou regiões.

Na denominação das localidades, a regra é a da ausência do artigo, como acontece, por exemplo, com os nomes das cidades portuguesas de Aveiro, Beja, Braga, Bragança, Castelo Branco, Coimbra, Évora, Faro, Leiria, Lisboa, Ponta Delgada, Portalegre, Santarém, Setúbal, Viana do Castelo, Vila Real e Viseu. (...)

«Uma amostra das deliciosas diferenças» que separa brasileiros e portugueses em matéria de língua – nesta crónica do autor, publicada no jornal brasileiro Folha de S. Paulo, transcrito no Courrier Internacional (edição portuguesa) de 26 de Setembro de 2007.