O nosso idioma - Ciberdúvidas da Língua Portuguesa
 
Início Português na 1.ª pessoa O nosso idioma Histórias de palavras
Textos de investigação/reflexão sobre língua portuguesa.
Imagem de destaque do artigo
A antiga significação de alguns vocábulos do campo lexical do trabalho

O escritor e humorista Miguel Esteves Cardoso revela* a ironia associada à etimologia de algumas palavras do campo lexical do trabalho.

* in jornal "Público" do dia 23 de setembro de 2018

Imagem de destaque do artigo

« (...) Portugal decretara o fim do y (e do k, do w, do ph, do th, dos mm, dos mn e dos nn) na sua grande reforma ortográfica de 1911 que o Brasil, teimoso e desobediente, não seguira. Com isso, naqueles primórdios do século, o milenar Portugal já modernizara a sua língua enquanto o Brasil, que se julgava avançado e do Novo Mundo, continuara a escrever coisas como phonographo, Nictheroy e hypertrophia. Para piorar, condenara seus Ruys a um lado do Atlântico enquanto os Ruis ficavam do outro. (...)»

Assim se confessa o jornalista e escritor brasileiro Ruy Castro, que, em crónica publicada no Diário de Notícias de 2 de setembro de 2018, conta o que tem sido escrever o seu nome próprio com y no meio dos (des)entendimentos ortográficos entre o Brasil e Portugal.

Imagem de destaque do artigo

Sobre o filósofo muçulmano Al Farabi (872-945), de cujo nome derivou o termo  termo afarrabista  sebo no Brasil – neste texto do historiador e político português Rui Tavares, que se transcreve a seguir na integra do jornal "Público" de 2 de março de 2018.

Imagem de destaque do artigo

Estada e estadia tem significados distintos e assim o atestam os principais dicionários, brasileiros e portugueses* – embora o seu emprego indistinto tenha diluído a diferença semântica de uma e de outra palavra**. Um uso que em nada legitima essa impropriedade – argumenta neste texto a autora, historiando a etimologia de cada uma delas e as suas abonações mais antigas, dicionarísticas e literárias.

* Por exemplo, o Dicionário da Língua Portuguesa Contemporânea, da Academia das Ciências de Lisboa, o Grande Dicionário da Língua Portuguesa, da Porto Editora, e o Dicionário Houaiss da Língua Portuguesa.

** Estada ou estadia

Imagem de destaque do artigo
= «de qualidade excelente»

Acerca da expressão XPTO (ver respostas aqui e aqui), uma  consulente de Lisboa, a tradutora Diana Marques, diz que ficou «[...] espantada e divertida por saber que tem origem nas letras gregas que compõem a palavra Cristo», mas considera que há uma questão por desvendar: «No entanto, continuo intrigada e quero perceber como pode ter derivado a palavra Cristo até vir a significar "algo de qualidade excelente". A correlação não me parece óbvia e talvez tenha uma qualquer anedota por detrás [...].»

Gonçalo Neves quis investigar a fundo as origens deste uso de XPTO para descobrir que, afinal, o muito que se diz não tem grande fundamento.

Imagem de destaque do artigo

O consulente Paulo de Sousa (Cascais, Portugal) perguntou:

«Uma das muitas aceções do verbo “compreender” é a de “abranger”. Como tal, poderá o adjetivo “compreensivo” encerrar também o sentido de “abrangente”?»

Como se sabe, apesar de a compreensivo poder ser atribuído o significado de «que compreende ou pode compreender, abranger ou conter», acontece que não se recomenda o uso do vocábulo em tal aceção.

Traçando a etimologia deste adjetivo e comentando a interferência do inglês comprehensiveGonçalo Neves explica com pormenor as origens e o significado de compreensivo.

Imagem de destaque do artigo

Geringonça é palavra atestada desde o século XVI que, pela sua expressividade, teve uso frequente no discurso com intenção cómica. Uma crónica radiofónica do jornalista João Paulo Guerra, com o título "A Geringonça, mas a da "Esopaida" de António José da Silva" (Antena 1, 6/1/2017) (...).

Imagem de destaque do artigo

A propósito da palavra bera, coloquialismo característico de Portugal, e da sua génese no contexto lisboeta de princípios do século XX, transcreve-se, com a devida vénia, um excerto do artigo "O Chiado e o seu comércio, em 1916", publicado no blogue Estação Chronographica, da autoria do jornalista português Fernando Correia de Oliveira (mantêm-se as ortografias utilizadas no original; na imagem, Rua Garrett, meados de 1897, foto de M. Goulart).

Imagem de destaque do artigo

Gostaria só de deixar um pequeno apontamento de pormenor relativamente à palavra bifa. Como refere a resposta (6/06/2016) ao consulente, bife e bifa são palavras que referem os ingleses. Mas porquê? (...)

Imagem de destaque do artigo

«[C]onvidaram-me a uma mesa-redonda onde fui bombardeado com perguntas, a primeira das quais, a inevitável: O que significa exactamente "saudade", termo ouvido tão insistentemente e referido como algo que ninguém não-português consegue apreender?» A pergunta é o ponto de partida para uma crónica do escritor e professor universitário Onésimo Teotónio Almeida, que desvela os supostos arcanos da palavra saudade (texto publicado pelo Jornal de Letras de 2/03/2016).