Estranheza e humor – ou dos nomes de lugar à gramática - Ciberdúvidas da Língua Portuguesa
Este é um serviço gracioso e sem fins comerciais, de esclarecimento, informação e debate sobre a língua portuguesa, o idioma oficial de Angola, Brasil, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Moçambique, Portugal, São Tomé e Príncipe e Timor-Leste. Sem outros apoios senão a generosidade dos seus consulentes, ajude-nos a dar-lhe continuidade: Pela viabilização do Ciberdúvidas. Os nossos agradecimentos antecipados.
Início Aberturas Abertura
Estranheza e humor – ou dos nomes de lugar à gramática
Estranheza e humor – ou dos nomes de lugar à gramática
Por Ciberdúvidas da Língua Portuguesa 927

1. Sobre os nomes de lugar (topónimos), uma pergunta frequente é, sem dúvida, a que diz respeito à sua origem. Mas a toponímia é também motivo de conversa animada quando se trata de casos estranhos, suscetíveis até de provocar o riso, tantas vezes para embaraço dos habitantes das localidades visadas. A propósito deste tema, a rubrica O Nosso Idioma divulga algumas passagens de um texto incluído na obra Os Meus Problemas, uma coletânea de crónicas humorísticas que o escritor português Miguel Esteves Cardoso reuniu e publicou em 1988. No consultório, menos vulgar ou até estranho é igualmente um caso de concordância com a expressão «um terço»: estará correto dizer «das mulheres, um terço está grávido»? E será possível haver forma passiva para uma frase como «o filho foi chamar o pai»? Sem sobressaltos, as restantes respostas focam a expressão «muito pior» e o adjetivo entradota.

2. Porque a atualidade política depois das últimas eleições em Portugal assim o propicia, voltamos de novo a esses dois erros tão recorrentes nos comentários e cenários que se vão dissecando na rádio e na televisão: a) ir de encontro a esta ou aquela posição (por exemplo, «a vontade do eleitorado») tem um sentido completamente oposto a (dizer-se) ir ao encontro de; b) o plural de acordo pronuncia-se tal como no singular, com o segundo o fechado – e não com ele aberto, "acórdos". Será assim tão difícil, srs. comentadores, políticos e jornalistas?...

3. Entre vários contributos, diretos ou indiretos, para o estudo e promoção da língua portuguesa, relevem-se as seguintes iniciativas:

– no Brasil, um conjunto de seminários sobre a língua portuguesa: Português – Língua de Poder e Economia (14 de outubro), Português, Língua Global (16 de outubro), A Língua Portuguesa no Mundo (20 de outubro);

– em Portugal, de 15 a 25 outubro p. f., o Festival Literário Internacional de Óbidos;

– também em Portugal, mais precisamente em Lisboa, no dia 15 de outubro, a conferência "Entre latim e português: o galego", proferida pelo linguista e escritor Fernando Venâncio (Universidade de Amesterdão), a convite do Centro de Estudos Galegos da Universidade Nova de Lisboa;

– na Galiza, em 16 e 17 de outubro p.f., o Simpósio SIPLE 2015 – O Português em Espaços Multilingues.