Ter que e ter de - Ciberdúvidas da Língua Portuguesa
Este é um serviço gracioso e sem fins comerciais, de esclarecimento, informação e debate sobre a língua portuguesa, o idioma oficial de Angola, Brasil, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Moçambique, Portugal, São Tomé e Príncipe e Timor-Leste. Sem outros apoios senão a generosidade dos seus consulentes, ajude-nos a dar-lhe continuidade: Pela viabilização do Ciberdúvidas. Os nossos agradecimentos antecipados.
Ter que e ter de

Porque aprendi de forma diferente, tenho dificuldade em perceber quais os motivos que levam os vossos consultores a considerar que será correcto empregar «ter que» quando nos referimos a «coisa».
Se o «que» é complemento directo, introduz uma nova «oração», que requer «predicado»; será aqui que deve ser feita a distinção. Como não estamos face a uma nova oração, teremos de empregar a preposição, utilizada para ligar dois termos da mesma oração, e nunca um pronome que introduziria uma nova oração.
Às vezes é conveniente empregar métodos de análise e raciocínios, habitualmente reconhecidos como ligados a outras ciências, para esclarecer e resolver questões que, à partida, parecem pertencer ao domínio dos dogmas.

José Pedro Borges piloto e estudante Portugal 5K

Quando se estuda ter que, costuma-se estudar também ter de, porque se empregam em circunstâncias diferentes. Ter de emprega-se quando se subentendem palavras como necessidade, precisão, desejo, obrigação, antes da preposição de: Tenho de comer. Tenho de o ajudar. Tenho de trabalhar muito para viver. Ter que usa-se quando subentendemos palavras como muito, pouco, nada, algo, coisa, coisas. Estas palavras são antecedentes do que, pronome relativo. Este que é o complemento directo do verbo que se lhe segue: Tenho muito que contar. Elas tinham muitas coisas que dizer. Não tens mais nada que fazer?

Na sua consulta emprega a expressão «face a uma nova oração». face a é sintaxe francesa (face à). Em português dir-se-á, conforme os casos: perante, em/na presença de, diante de, em frente de.

Cf. Respostas Anteriores.

José Neves Henriques