Sobre a classe de palavras de o antes de pronome possessivo - Ciberdúvidas da Língua Portuguesa
Este é um serviço gracioso e sem fins comerciais, de esclarecimento, informação e debate sobre a língua portuguesa, o idioma oficial de Angola, Brasil, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Moçambique, Portugal, São Tomé e Príncipe e Timor-Leste. Sem outros apoios senão a generosidade dos seus consulentes, ajude-nos a dar-lhe continuidade: Pela viabilização do Ciberdúvidas. Os nossos agradecimentos antecipados.
Sobre a classe de palavras de o antes de pronome possessivo

Nas frases «esse livro é igual ao meu» e «o seu livro é igual ao meu», a impressão que eu tenho é de que no primeiro exemplo o «o» antes de «meu» seria um pronome demonstrativo, e na segunda, um artigo definido. Justifico tal posição pelo fato de que na primeira frase o primeiro pronome é outro demonstrativo (esse) e a segunda frase inicia com artigo. Concluo isso através do que se me apresenta como paralelismo na frase. Há respaldo teórico para essa minha, digamos, opinião? Coincide com a teoria gramatical que por vezes é divergente entre os autores em alguns pontos?

Na verdade, pesquisando na Internet, percebi que há posições divergentes até mesmo em relação à definição de pronome possessivo adjetivo/substantivo. Há quem diga que numa frase como «Pegue seu ônibus, que eu pegarei o meu», o segundo «meu» seria substantivo, já que não antecede nome, e outros que dizem que o nome (substantivo) está subentendido, e que por isso, então, seria um pronome adjetivo.

Leigo na área, e no entanto interessado, formulei algumas hipóteses, e gostaria que respondessem às minhas questões incluídas nas minhas hipóteses. Ei-las:

1) No caso de se considerar o «meu» nas frases anteriormente citadas como um pronome possessivo adjetivo, haveria duas possibilidades para tal. a) O «meu» estaria adjetivando um substantivo subentendido no contexto, e o «o» seria um artigo definido, e tanto o artigo «o» como o pronome adjetivo «meu» desempenhariam a função de adjuntos adnominais do substantivo subentendido. b) O «meu» serviria como um pronome adjetivo posposto ao pronome substantivo demonstrativo «o», e assim estaria o adjetivando.

2) No caso de se considerar o «meu» nas frases anteriormente citadas como um pronome possessivo substantivo, haveria somente a possibilidade de se entender o «o» como artigo definido que substantiva o pronome, uma vez que se o «o» for entendido, nesse contexto de consideração, como um pronome demonstrativo, só poderia ser de um valor substantivo, assim recebendo a adjetivação do pronome possessivo «meu», que então desempenharia função de adjunto adnominal [isso recairia na própria hipótese b) do item anterior].

De todo modo, às vezes tenho a impressão de que um o ou a antes de um possessivo invariavelmente seria um artigo, em qualquer contexto... Como uma espécie de «locução necessária».

Diego Cruz Psicólogo Florianópolis, Brasil 6K

Nos casos em apreço, a literatura não tem diferenciado a classe nem a função da forma o, associada ao possessivo meu, em casos como o das duas frases. Normalmente, considera-se que esse o é um artigo definido, quer acompanhe um pronome possessivo («o meu») quer se junte a um adjectivo numa construção elíptica («estou a usar o casaco velho, porque não encontro o novo», onde «o novo» = «o casaco novo»).

Penso que as ilações retiradas pelo consulente derivam da constatação de uma propriedade que é comum a demonstrativos como esse e aos possessivos: a função deíctica. O valor deíctico de esse, o e meu remete para as coordenadas espaciais de uma situação de comunicação — como é o caso dos demonstrativos — ou para os intervenientes nessa situação — marcados pelos pronomes eu e tu e pelos respectivos possessivos.

Quanto a meu, pronome possessivo substantivo (em Portugal, pronome possessivo), e meu, pronome adjectivo possessivo (em Portugal, determinante possessivo), trata-se de uma distinção da gramática tradicional (cf. Celso Cunha e Lindley Cintra, Nova Gramática do Português Contemporâneo, Lisboa, Edições João Sá da Costa, 1984, págs. 277 e 319). Deste ponto de vista tradicional, encara-se o o associado ao possessivo meramente como artigo definido (cf. Paul Teyssier, Manual de Língua Portuguesa, Coimbra, Coimbra Editora, 1989, pág. 134/135).

Noutra perspectiva, M.ª Helena Mateus et al., na Gramática da Língua Portuguesa (Lisboa, Editorial Caminho, 2003: 353), propõem que os casos de pronome possessivo substantivo sejam analisados como construções elípticas, nas quais «[...] podem surgir outros determinantes e quantificadores, complementos ou modificadores» (ibidem). Mas estas construções só são possíveis quando são observadas certas condições sobre a legitimação e identificação do nome que é omitido (neste tipo de análise, denominado «categoria vazia»):

«[...] [P]or um lado, nem todos os determinantes admitem elipse nominal (veja-se o caso dos artigos definidos); por outro lado, o conteúdo da categoria vazia tem de ser recuperado pelo contexto linguístico ou situacional. Uma das configurações em que a elipse opera é precisamente na coordenação e na comparação, em que a simetria da construção permite identificar o conteúdo do nome nulo, como em (67):

(67) (a) Estes meus sapatos e esses teus [-] estão precisar de limpeza.

       (b) Esses [-] tacão ficam melhor do que aqueles [-] que têm sola de borracha.»

Quanto às hipóteses formuladas pelo consulente, a 1a) corresponde à análise de Mateus et al. (op. cit.). A 1b) não parece explorada nas obras consultadas, nem nas de cariz tradicional nem na baseada em investigação linguística recente. Finalmente, a hipótese 2 encontra apoio na perspectiva tradicional, desde que generalizada ao uso do pronome possessivo adjectivo, uma vez que, como se viu, os possessivos, pronomes substantivos ou adjectivos, se usam com artigo definido. Com tudo isto não quero dizer que são de rejeitar as hipóteses formuladas pelo consulente, podendo eventualmente ser frutuosas num tipo de análise não tradicional. Por isso, recomendo a leitura dos seguintes artigos:

Matilde Miguel, "O Estatuto Categorial dos Possessivos: Possessivos e Adjectivos", in Actas Comemorativas dos 25 Anos do Centro de Linguística da Universidade do Porto, Porto, Centro de Linguística da Universidade do Porto, 2002, págs. 191-202;

Ana Castro, 2006. "Possessivos e artigo definido expletivo em PE e PB", Veredas, vol. 10, n.os 1 e 2.

Carlos Rocha
Tema: Classes de palavras Classe de Palavras: pronome