Pára, para - Ciberdúvidas da Língua Portuguesa
Este é um serviço gracioso e sem fins comerciais, de esclarecimento, informação e debate sobre a língua portuguesa, o idioma oficial de Angola, Brasil, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Moçambique, Portugal, São Tomé e Príncipe e Timor-Leste. Sem outros apoios senão a generosidade dos seus consulentes, ajude-nos a dar-lhe continuidade: Pela viabilização do Ciberdúvidas. Os nossos agradecimentos antecipados.
Pára, para

Tem sido noticiado que o Acordo Ortográfico preceitua a supressão do acento agudo na terceira pessoa do singular no presente do indicativo do verbo parar.

(Ele para o trabalho a meio; Para para já esse serviço; Trânsito para a Ponte Vasco da Gama).

Tanto quanto julgo saber não há actualmente qualquer diferença gráfica entre a norma portuguesa e a brasileira no que diz respeito a este verbo. Se é de facto assim, por que motivo se propõe esta alteração?

Fico muito reconhecido.

José Pedro Soares Trabalhador-estudante Lisboa, Portugal 6K

Terá de ser o contexto a esclarecer se se trata da preposição ou da forma verbal. Como já disse numa anterior resposta, a duplicidade na classe em que fica a palavra é semelhante ao que já acontecia como, por exemplo, colher substantivo e colher forma verbal, que igualmente permite construções ambíguas, se for esse o nosso objectivo, e não escrever um texto coerente.

Penso que os legisladores do acordo quiseram uniformizar para, pelo, polo sem acento. No caso de pélo e pólo, efectivamente não fazia sentido já o acento, pois se tratava de evitar confusões com palavras que caíram em desuso; mas no caso de pára, a preposição para é de utilização actual e frequente. Penso que poderiam ter admitido que o acento fosse opcional, como o fizeram em forma/fôrma, demos/dêmos, outras formas verbais do tipo amamos/amámos.

 

Diferenças neste texto para o novo acordo

Termos para Portugal: objetivo, efetivamente, atual, para, pelo, polo.

Para o Brasil: frequente, para, pelo, polo.

NOTA: as duplas grafias não implicam alterações obrigatórias na escrita.

 

 

N.E.    A abolição do acento gráfico nas palavras homógrafas graves consagradas pelo Acordo de 1945, em Portugal, e pela Lei n.º 5765, de 18 de dezembro de 1971, no Brasil, regulou desde então a mesma forma escrita, entre outros exemplos, para acerto (ê) / (é), acordo (ô) / (ó), corte (ô) / (ó) (substantivos/ formas verbais); cor (ô) / (ó) (substantivo / elemento da locução "de cor"); sede (ê) e sede (é); molho (ô) / molho (ó), ambos substantivos. Cf. "Supressão dos acentos nas palavras homógrafas: pelo, para, molho. sede, cor", de Lúcia Vaz Pedro ("Jornal de Notícias", 4/10/2015). 

Ao seu dispor,

 

D´Silvas Filho
Tema: Uso e norma
Áreas Linguísticas: Morfologia; Ortografia/Pontuação