Os acentos em Tróia e Vila Nova de Foz Côa (Portugal), depois do Acordo - Ciberdúvidas da Língua Portuguesa
Este é um serviço gracioso e sem fins comerciais, de esclarecimento, informação e debate sobre a língua portuguesa, o idioma oficial de Angola, Brasil, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Moçambique, Portugal, São Tomé e Príncipe e Timor-Leste. Sem outros apoios senão a generosidade dos seus consulentes, ajude-nos a dar-lhe continuidade: Pela viabilização do Ciberdúvidas. Os nossos agradecimentos antecipados.
Os acentos em Tróia e Vila Nova de Foz Côa (Portugal), depois do Acordo

Gostaria de saber se os topónimos portugueses Tróia e Vila Nova de Foz Côa vão perder os respectivos acentos gráficos tendo em conta as regras do novo Acordo Ortográfico (AO 90).

Grata pela atenção.

Luísa Santos Professora Porto, Portugal 6K

Com a adopção do AO 90, Tróia perde realmente o acento agudo, passando a Troia, conforme indica o Vocabulário Ortográfico da Língua Portuguesa (VOLP) da Porto Editora, o qual inclui a grafia de muitos topónimos. O topónimo e hidrónimo até agora escrito Côa em português europeu não está registado no referido VOLP, mas os artigos da Infopédia, trabalho da mesma editora, grafam-no sem acento circunflexo — Coa.

A perda de acento agudo em Troia deve-se ao disposto no AO 90, na Base IX, 3 , sobre palavras paroxítonas, isto é, graves, com ditongo "ei" ou "oi" na sílaba tónica:

«3 Não se acentuam graficamente os ditongos representados por ei e oi da sílaba tónica/tônica das palavras paroxítonas, dado que existe oscilação em muitos casos entre o fechamento e a abertura na sua articulação:assembleia, boleia, ideia, tal como aldeia, baleia, cadeia, cheia, meia; coreico, epopeico, onomatopeico, proteico; alcaloide, apoio (do verbo apoiar), tal como apoio (subst.), Azoia, boia, boina, comboio (subst.), tal como comboio, comboias, etc. (do verbo comboiar), dezoito, estroina, heroico, introito, jiboia, moina, paranoico, zoina

Relativamente a Côa, observe-se que, em Portugal, enquanto vigorou o Acordo Ortográfico de 1945 (AO 45), a palavra tinha acento circunflexo a marcar vogal tónica fechada, como côa (3.ª pessoa do presente do indicativo e 2.ª pessoa do imperativo do verbo coar),1 para se diferenciarem de coa, palavra proclítica (isto é, dependente da acentuação da palavra seguinte), resultante da combinação de com e de a, forma de feminino do artigo definido (cf. AO 45, base XXII e Rebelo Gonçalves, Tratado de Ortografia da Língua Portuguesa, 1947, p. 173, n. 6). À luz do novo acordo, não se coloca acento no  topónimo nem na forma verbal, deixando de haver contraste com a  forma proclítica coa, em consonância com o que se lê na Base IX, 9:

«Prescinde-se, quer do acento agudo, quer do circunflexo, para distinguir  palavras paroxítonas que, tendo respectivamente vogal tónica/tônica aberta ou fechada, são homógrafas de palavras proclíticas. Assim, deixam de se distinguir pelo acento gráfico: para (á), flexão de parar, e para, preposição; pela(s) (é), substantivo e flexão de pelar, e pela(s), combinação de per e la(s); pelo (é), flexão de pelar, pelo(s) (é), substantivo ou combinação de per e lo(s); polo(s) (ó), substantivo, e polo(s), combinação antiga e popular de por e lo(s); etc.»

1 Em Portugal, tinham acento circunflexo as seguintes formas do verbo coar, conforme o AO 45 (base XXII): a referida forma côa e côas, 2.ª pessoa do singular do presente do indicativo.

Carlos Rocha
Tema: Acordo Ortográfico Classe de Palavras: nome próprio
Áreas Linguísticas: Léxico; Ortografia/Pontuação