O uso de @ para marcar o género de palavras - Ciberdúvidas da Língua Portuguesa
Este é um serviço gracioso e sem fins comerciais, de esclarecimento, informação e debate sobre a língua portuguesa, o idioma oficial de Angola, Brasil, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Moçambique, Portugal, São Tomé e Príncipe e Timor-Leste. Sem outros apoios senão a generosidade dos seus consulentes, ajude-nos a dar-lhe continuidade: Pela viabilização do Ciberdúvidas. Os nossos agradecimentos antecipados.
O uso de @ para marcar o género de palavras

Tem sido comum, principalmente na Internet, o uso de @ para identificar palavras que marcam o masculino e feminino. Este uso pode ser considerado correto e aceito pela «língua culta»?

Olenir Maria Mendes Professora Uberlândia, Brasil 8K

O símbolo @, sinal gráfico denominado arroba (Dicionário Houiass), é usado nos endereços de correio eletrónico para separar o nome do utilizador da designação do domínio da rede ou do provedor de acesso à conta de correio eletrónico. O facto de o sinal gráfico ser formado por um a minúsculo envolto num círculo aberto tem sido interpretado por adeptos do  denominado «discurso politicamente correto» como uma coocorrência (ou até mesmo aglutinação) das letras a e o, letras que habitualmente marcam respetivamente o género feminino e masculino das palavras (cf. Glossário de Termos da Internet da Universidade de Vigo). Assim, quem utiliza a arroba em palavras como alun@s pretende abranger os dois géneros humanos e, dessa forma, evitar aquilo que se considera ser uma discriminação sexual através da linguagem.

Este tipo de uso é reconhecido por linguistas, está consagrado em glossários, mas não faz parte da norma da língua portuguesa. Não temos conhecimento de qualquer gramática que faça referência ao uso de @ como processo para marcar a coocorrência do masculino e do feminino em frases como «Os alunos fizeram o trabalho de casa», pelo que não poderá ser aceite pela norma culta, independentemente de o seu uso poder fazer parte de um socioleto político próprio de um ou mais grupos sociais.

CfLa gramática no tiene sexo, no es incluyente ni excluyente

Miguel Moiteiro Marques
Áreas Linguísticas: Gramática; Léxico