Nada, como complemento direto - Ciberdúvidas da Língua Portuguesa
Este é um serviço gracioso e sem fins comerciais, de esclarecimento, informação e debate sobre a língua portuguesa, o idioma oficial de Angola, Brasil, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Moçambique, Portugal, São Tomé e Príncipe e Timor-Leste. Sem outros apoios senão a generosidade dos seus consulentes, ajude-nos a dar-lhe continuidade: Pela viabilização do Ciberdúvidas. Os nossos agradecimentos antecipados.
Nada, como complemento direto

Na frase «Não comeste nada.», qual a função sintática desempenhada por nada? Ao que parece, será a de complemento direto, sendo que nada será um pronome indefinido. Contudo, a sua sobrevivência ao teste de substituição por pronomes pessoais átonos (o, os) é duvidosa. Foi uma questão levantada pelos meus alunos de 11.º ano, que me parece bastante plausível. Podem ajudar-me a tornar a situação mais clara?

Ana Costa Professora Setúbal, Portugal 42

Nada, nesta frase, é um pronome indefinido e ocupa a posição de complemento direto, selecionado pelo verbo transitivo direto comer. Se substituirmos “nada” por um grupo nominal, o teste da substituição pelo pronome pessoal átono funciona:

«Não comeste a maçã.» –« Não a comeste.»

De igual modo, com um verbo transitivo direto como ver, temos exatamente a mesma situação quando o complemento direto é um pronome indefinido:

«Não vejo ninguém.» – *«Não o vejo.»

«Não vejo o João.» – «Não o vejo.»

Podemos, portanto, concluir que, embora sendo complemento direto, o pronome indefinido não pode ser substituído pelo pronome pessoal átono. 

Maria Eugénia Alves
Classe de Palavras: pronome
Áreas Linguísticas: Sintaxe Campos Linguísticos: Funções sintácticas